Leia também:
X Moro faz ‘malabarismo’ em resposta e irrita William Waack

Ministro pede que advogado sem gravata se retire de sessão do STJ

Obrigatoriedade do item está fixada em uma portaria do STJ

Monique Mello - 24/11/2021 12h49 | atualizado em 24/11/2021 13h20

Sessão da quarta turma do STJ Foto: Reprodução/ YouTube Superior Tribunal de Justiça

Um advogado teve que se retirar de uma sessão virtual do Superior Tribunal de Justiça (STJ) nesta terça-feira (23), a pedido do ministro Luis Felipe Salomão. O motivo foi a vestimenta do advogado, que estava sem gravata.

– Vossa excelência não pode participar da sessão dessa forma, não é possível. Tem que se trajar adequadamente – disse o ministro.

O advogado chegou a questionar, indagando “como assim?”, mas, em seguida, ficou sem palavras, tendo a imagem cortada.

– Pode cancelar – disse Salomão.

Há uma portaria do STJ em que está fixado que, em sessões presenciais, homens devem usar calça social e paletó, camisa social, gravata e sapato social. Já as mulheres devem usar vestido ou, alternativamente, blusa com calça ou saia, todos de natureza social, além de calçado social.

Durante a pandemia, com a adoção do modelo virtual de sessões, o colegiado chegou a dispensar o uso de toga ou beca, mas sem abrir mão da vestimenta condizente às solenidades.

No ano passado, assim que as sessões passaram a ser virtuais, o ministro Marco Aurélio chamou a atenção ao participar da primeira sessão colegiada da 1ª turma do STF, realizada por videoconferência, trajando uma camisa polo branca.

Leia também1 CCJ aprova proposta que "dá" 2 vagas no STF a Bolsonaro
2 Ex-ministro de Lula afirma que linguagem neutra é 'inaceitável'
3 Flordelis: Filhos são condenados pela morte do pastor Anderson
4 Bolsonaro confirma filiação ao PL: 'Seremos felizes para sempre'
5 Jornalista militante fica ‘sem palavras’ com Gilson Machado

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.