Leia também:
X Astronauta passeia na praia de Ipanema, no Rio de Janeiro

Militares fazem ação para proteger indígenas da Covid

Grupo de missão sanitária vai ao encontro de 7 mil pessoas isoladas

Pleno.News - 20/06/2020 20h12 | atualizado em 20/06/2020 21h03

Militares vão ao encontro de 7 mil indígenas isolados Foto: EFE/Joédson Alves

Nesta semana, uma equipe de 23 militares do Exército, profissionais de Saúde, estão reforçando o atendimento médico na região, em missão sanitária, depois que 6.351 indígenas foram infectados e 301 morreram, segundo dados da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB).

O trabalho das Forças Armadas é acompanhado pelos profissionais de enfermagem do Distrito Especial de Saúde Indígena (DSEI) do Vale do Javari. O objetivo, além do tratamento, é levar informações sobre prevenção à entrada da Covid-19 nas comunidades.

Para o coordenador do Distrito Especial de Saúde Indígena do Alto Rio Solimões, Weydson Gossel Pereira, um dos maiores desafios no combate ao patógeno entre a população indígena é a relutância de na ida para o o hospital.

– Muitos se recusam a ir, porque no hospital, quando morrem, não são enterrados na aldeia, com toda a cerimônia funeral e enterro – afirmou.

Por causa disso, os polos especializados no atendimento aos índios estão tendo que se adaptar rapidamente, embora faltem equipamentos essenciais para pacientes em estado mais grave, como respiradores.

– O suporte maior que necessitamos é o de oxigênio. Antes, tínhamos somente inaladores, mas com a Covid-19, com a dificuldade e a complicação dos casos de deficiência respiratória, decidimos adaptar – explicou Gossel Pereira.

FUGA PARA A MATA
A iminente chegada do novo coronavírus fez com que cerca de 150 indígenas buscassem refúgio no seio da Floresta Amazônica para evitar o contágio entre os habitantes da aldeia Cruzeirinho, localizada às margens do Rio Javari, no interior do Amazonas.

Ao todo, 27 das 32 famílias da aldeia preferiram deixar os locais em que vivem como forma de se protegerem da Covid-19, doença provocada pelo coronavírus e que já afeta mais de 100 nações indígenas no Brasil.

– Eles querem se cuidar, protegerem a eles próprios, às crianças, de contraírem o coronavírus. É uma região de fronteira, e muita gente passa por aqui todos os dias. Assim, as pessoas foram para a selva para se proteger – disse à Agência Efe Bené Mayuruna, um dos poucos que preferiram continuar na aldeia.

Aqueles que optaram por se exilar na mata buscaram isolamento total, já que não têm qualquer contato com o mundo exterior.

– Estão se protegendo, totalmente isolados na selva, levaram as crianças e estão lá, sem falar com ninguém – relatou Mayuruna.

A decisão de se refugiar na mata foi uma resposta extrema diante do avanço do novo coronavírus, que vem deixando um rastro de devastação em diversas comunidades do Território Indígena Vale do Javari, que foi demarcado por decreto em 2001.

Esta é a segunda maior área indígena do Brasil, fica no oeste do Amazonas. Cerca de 7 mil pessoas, de sete diferentes etnias, vivem nela. Cinco das tribos do Vale do Javari, inclusive, jamais foram contactadas.

*Com informações da Agência EFE

Leia também1 Felipe é condenado por post contra presidente da Funai
2 OMS vê estabilização em curva de contágios no Brasil
3 STJ autoriza nomeação de pastor para cargo na Funai
4 Injustamente, jovem indígena é exposta como falsa cotista
5 Min. da Saúde inaugura ala indígena em hospital no AM

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.