Leia também:
X Filho de Flordelis não consegue se reeleger no Rio de Janeiro

Kassio interrompe sessão sobre direito de Bolsonaro de bloquear

Ação foi movida por advogado que foi bloqueado por Bolsonaro nas redes sociais

Pleno.News - 16/11/2020 19h19 | atualizado em 16/11/2020 20h22

Kassio Nunes Marques interrompeu julgamento sobre direito de Bolsonaro de bloquear perfis nas redes sociais Foto: STF/Fellipe Sampaio

O ministro Kassio Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal, interrompeu o julgamento que discute se o presidente Jair Bolsonaro tem o direito de bloquear usuários nas redes sociais. A ação foi movida pelo advogado Leonardo Medeiros, do Ceará, que foi impossibilitado de seguir o presidente após criticar um post feito por Bolsonaro no Instagram.

Nunes Marques pediu destaque e tirou a ação do plenário virtual, que começou a julgar o caso na última sexta (13). Com isso, o processo deverá ser discutido presencialmente entre os ministros, mas em data ainda a ser definida.

O ministro Marco Aurélio Mello, relator do processo, já votou no sentido de proibir Bolsonaro de bloquear cidadãos nas redes. Segundo ele, o presidente não pode exercer ‘papel de censor’ e seu perfil não se limita a publicar informações pessoais.

– Dizem respeito a assuntos relevantes para toda a coletividade, utilizando o perfil como meio de comunicação de atos oficiais do Chefe do Poder Executivo Federal. A atuação em rede social de acesso público, na qual veiculado conteúdo de interesse geral por meio de perfil identificado com o cargo ocupado – Presidente da República –, revela ato administrativo praticado no exercício do Poder Público – afirmou Mello.

O voto vai no sentido oposto do que pede a União, que defende o caráter ‘pessoal’ das contas de Bolsonaro nas redes sociais. Para a Advocacia-Geral da União, os atos adotados pelo presidente nesses perfis, como o bloqueio de usuários, não tem caráter ‘institucional’ e não pode ser lido como uma ação do governo. Além disso, a defesa do presidente diz que ele exerceu seu ‘direito constitucional de manifestação’ ao utilizar a ferramenta de bloqueio prevista no Instagram.

O mesmo entendimento tem o procurador-geral da República Augusto Aras, que considerou que o bloqueio não configura exercício de função pública. A posição é a mesma já manifestada pelo PGR em outros dois processos sobre o mesmo tema.

Em novembro do ano passado, Aras disse ser ‘inviável a aplicação do princípio da publicidade às postagens efetuadas na rede social privada do presidente da República’, visto que ela não era uma conta oficial do governo. A resposta foi em ação movida pela deputada Natália Bonavides (PT-RN).

*Estadão

Leia também1 Advogado entra na Justiça após ser bloqueado por Bolsonaro
2 Pleno do STJD aceita recurso e derruba punição a Carol Solberg
3 Anão que Bolsonaro segurou no colo se reelege em Sergipe
4 Presidente Jair Bolsonaro diz que esquerda sofreu derrota
5 Janaina diz que Bolsonaro não cometeu crime eleitoral em lives

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.