Leia também:
X Moraes prorroga inquérito sobre suposta interferência na PF

Fiocruz obtém registro de IFA e produzirá vacina 100% nacional

Fundação conseguiu certificado de Boas Práticas da Anvisa para a fabricação da AstraZeneca

Gabriela Doria - 07/01/2022 16h32 | atualizado em 07/01/2022 16h53

Fiocruz obteve certificado de Boas Práticas da Anvisa Foto: Agência Brasil/Sumaia Villela

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou, nesta sexta-feira (7), o registro de um insumo necessário para a fabricação da vacina AstraZeneca. Com isso, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que já produz o imunizante contra a Covid-19, não irá precisar importar o IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) da Índia ou da China, tornando a vacina da AstraZeneca 100% nacional.

De acordo com um comunicado da agência, estudos indicaram que, “ao ser fabricado no país, o insumo mantém o mesmo desempenho que a vacina importada”.

O processo para obter autorização para produzir o insumo nacionalmente teve início no ano passado. Ainda em maio de 2021, a Anvisa emitiu um certificado de Boas Práticas de Fabricação do insumo para a Fiocruz, indicando que o instituto cumpria as exigências necessárias para a garantia da qualidade do IFA.

Desde a certificação, a Fiocruz tem produzido lotes testes para demonstrar a qualidade dos IFAs à Anvisa e já tem o equivalente a quase 21 milhões de doses de insumo – em diferentes níveis de fabricação.

A certificação oficial permitirá que o Brasil avance na produção autônoma de vacinas contra a Covid-19, sem depender da importação dos ingredientes.

Leia também1 Paes cita Macron e diz que vai incomodar os não vacinados
2 Câmara aproveita recesso e gasta R$ 790 mil em reformas
3 Cidade em São Paulo volta a implantar quarentena e multa
4 Deputados reagem contra o passaporte vacinal de crianças
5 Idoso é preso após tomar 11 doses de vacina contra Covid

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.