Leia também:
X Lacombe fará superlive “sem mimimi” com Sikêra Jr

Filho alertou Anderson sobre plano macabro para matá-lo

Vereador Misael acusa Flordelis de manipulação

Rafael Ramos - 02/09/2020 11h14 | atualizado em 02/09/2020 11h48

Pastor Anderson do Carmo, vereador Misael e a deputada Flordelis Foto: Reprodução

Em sua primeira entrevista após a Justiça apontar Flordelis como mandante do assassinato do pastor Anderson do Carmo, o vereador Wagner Andrade Pimenta, mais conhecido como Misael, acusou a mãe adotiva de manipulá-lo. Tesoureiros das igrejas lideradas pelo casal, Misael se tornou alvo de acusações da deputada, que disse que o rapaz apagou arquivos do celular de Anderson.

– Hoje, tenho 42 anos e acredito que ela (Flordelis) me manipulou, foi uma lavagem cerebral. Eu tinha 12 anos de idade quando cheguei na casa. Acreditava que estava fazendo o certo, ajudando com as crianças, pegando doações na rua. Me envolvi. Eu não percebia que havia essa manipulação. Fui criado tendo uma gratidão por tudo que ela tinha feito por mim. Eu fazia tudo para agradá-la. Me dediquei quase 30 anos da minha vida. Não me arrependo. Fiz com prazer, carinho. Mas é triste ver algo pelo que você se dedicou tanto acabar por ganância, poder e dinheiro – relatou ao jornal Extra.

Misael revelou que chegou a avisar Anderson que havia uma trama macabra para matá-lo, mas ele não acreditava nessa possibilidade. De acordo com o vereador, o pastor estava cego por amar muito Flordelis.

– Era Deus no céu e ela na terra.

Afastado da família biológica há 30 anos, Misael confessou que se reaproximou dos parentes após o rompimento com a deputada. Ele disse que voltar ao convívio com a mãe e os irmãos que vivem no Jacarezinho tem feito muito bem.

Durante a entrevista, ele aproveitou para esclarecer a acusação de que ele teria desviado mais de R$ 2 milhões do Ministério Flordelis.

– Esses valores têm de ser apurados. A igreja tinha um escritório de contabilidade que fazia esse trabalho contábil. Eram oito igrejas e um caixa único. Havia um sistema financeiro no qual era tudo contabilizado. Tinha relatórios mensais que eu entregava para minha mãe e meu pai e reuniões de 15 em 15 dias. Ela tinha conhecimento porque eu passava os relatórios pra ela e tínhamos reuniões. Valores das obras, tudo era sempre discutido com a minha mãe também. E ele (Anderson) tratava esse assunto dos gastos muito publicamente, em vídeos que fazia. A igreja vivia uma situação financeira difícil, mesmo antes da morte dele, por causa das obras que estavam sendo feitas.

Diante da conclusão da Justiça sobre a participação direta de Flordelis no plano de assassinato de Anderson do Carmo, Misael ainda acredita que Flordelis possa estar arrependida do que fez.

– A Justiça vai ser feita. Acredito que, lá no fundo do coração, ela se arrepende do que fez. Ele era a engrenagem central da família. Ela não demonstra esse arrependimento em atitudes, mas quando coloca a cabeça no travesseiro, deve pensar “O que fiz da minha vida?”. Ela destruiu tudo, todo aquele castelo que foi construído. Carreira política, cantora gospel, o próprio Ministério flordelis. Tudo acabou. Aquela história acabou.

Leia também1 Flordelis diz que fez sexo com o marido antes do crime
2 Processo de Flordelis é enviado à Corregedoria da Câmara
3 Câmara inicia ação que pode cassar mandato de Flordelis
4 O que é o arsênio, usado para envenenar o pastor Anderson?
5 Flordelis diz que não está preparada para ser presa

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.