Leia também:
X Bolsonaro: ‘Se Lula voltar, qual vai ser o futuro do Brasil?’

Faxineira viu Henry ‘apavorado’ após ficar trancado com Jairinho

Funcionária do casal mudou versão após segundo depoimento

Pleno.News - 15/04/2021 21h09 | atualizado em 15/04/2021 21h14

HENRY-BOREL-MEDEIROS-INSTAGRAM-@HENRYBORELMEDEIROS-40-2021.jpg
Henry Borel morreu no dia 8 de março deste ano Foto: Reprodução

A faxineira Leila Rosângela de Souza Mattos, que trabalhou na casa de Henry Borel, de 4 anos, morto em 8 de março no Rio, contou à polícia na quarta-feira (14) ter visto o menino “com cara de apavorado” após ficar trancado no quarto por dez minutos com o padrasto, o médico e vereador Jairo Souza Santos Junior, o Dr. Jairinho. Ela disse também que a mãe de Henry e namorada de Jairinho, a professora Monique Medeiros Costa e Silva de Almeida, contou a ela em fevereiro que o filho havia tido “um surto” com o padrasto. O político e Monique estão presos temporariamente em inquérito que apura a morte do menino.

Rose afirmou que em 12 de fevereiro, a sexta-feira anterior ao carnaval, Monique havia saído de casa quando Dr. Jairinho chegou, por volta de 15h15. Henry então correu até o político, para abraçá-lo, o que era absolutamente incomum – por isso, a babá Thayná Ferreira teria ligado para Monique. Em seguida, o vereador chamou o enteado para o quarto do casal, anunciando ter comprado algo para ele. Ficaram dez minutos com a porta trancada e ao sair, segundo a faxineira, a criança tinha “cara de apavorado” e o menino falou à babá que não queria mais ficar sozinho na sala.

Quando a babá perguntou por que Henry estava mancando, ele respondeu que havia “caído da cama” e que seu joelho estava doendo. Rose também disse ter ouvido quando Henry reclamou que a cabeça doía.

MUDANÇA DE VERSÃO
Em seu primeiro depoimento, em 24 de março , Rose havia contado à polícia outra versão. Na ocasião, diferentemente de suas declarações mais recentes, havia dito que Jairinho não ficava sozinho com Henry. Também não relatou ter conhecimento de alguma agressão contra o garoto. Depois disso, investigadores descobriram mensagens entre Monique e Thayná no WhatsApp. Nelas, ambas falam sobre agressões narradas pela criança. Jairinho seria o autor.

Com base nessas conversas, a polícia pediu à Justiça que decretasse a prisão do casal, acusado de obstruir a investigação Eles foram presos em 8 de abril. No dia 12, Thayná deu novas declarações no inquérito. Admitiu que mentira por ordem de Monique e por ter medo de Dr. Jairinho. Detalhou ainda três episódios em que o vereador teria agredido Henry. Como o político e o garoto, nesses episódios, ficaram trancados, a babá não viu nada, mas ouviu relatos da criança e observou lesões no corpo de Henry.

*Estadão

Leia também1 Damares se reúne com delegado responsável pelo caso Henry
2 Vídeo mostra menino Henry mancando após agressão
3 Após morte de Henry, Câmara aprova PL contra maus-tratos
4 'Mamãe, eu te atrapalho?', Henry questionou após agressão
5 Empregada revela que Monique dava ansiolíticos para Henry

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.