Leia também:
X Rio: Pais pedem que Prefeitura faça reforma e reabra Ciep

TSE manda PT apagar vídeo em que Lula aparece pedindo votos

Decisão foi da ministra Maria Claudia Bucchianeri

Henrique Gimenes - 05/08/2022 19h49 | atualizado em 05/08/2022 21h04

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva Foto: ANTONIO MOLINA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Nesta sexta-feira (5), a ministra Maria Claudia Bucchianeri, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o Partido dos Trabalhadores (PT) removam trechos de vídeos publicados nas redes sociais com pedidos de votos para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A medida atende a uma ação apresentada à Corte pelo PDT.

Um dos vídeos foi gravado por Lula na terça-feira (3), durante um ato em Teresina (PI). Na ocasião, o petista pediu aos presentes que votassem nele, em Wellington Dias para o Senado e ainda em Rafael Fonteles para o governo do Piauí.

– Eu queria pedir para vocês… Cada mulher ou cada homem do Piauí que tem disposição de votar em mim, que tem disposição de votar no Wellington, eu queria pedir para vocês que no dia 2 de outubro vote em mim, vote no Wellington, mas primeiro vote no Rafael porque ele vai cuidar do povo do Piauí – afirmou o ex-presidente.

Diante disso, o PDT decidiu ir ao TSE e obteve uma decisão favorável de Maria Claudia Bucchianeri. No documento, a ministra disse que o “pré-candidato pode muito, mas não pode pedir voto explicitamente, situação que, ao que parece, é aquela objeto desta representação”.

A decisão pode ser vista aqui.

Leia também1 Grupos do agronegócio assinam "carta pró-democracia" da Fiesp
2 O Brasil já saiu da crise dos combustíveis, diz Bolsonaro
3 Pesquisa traz Bolsonaro e Lula empatados com 38% de votos
4 Em MG, Bolsonaro participa de motociata ao lado do povo
5 STF dá cinco dias para Bolsonaro explicar 7 de Setembro no Rio

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.