Leia também:
X TSE nega pedido para declarar Moraes suspeito após ‘degola’

“Somos contra a desconstrução da família”, diz nota da CGADB

A maior convenção das Assembleias de Deus no Brasil apoia a reeleição de Jair Bolsonaro

Leiliane Lopes - 30/09/2022 16h30 | atualizado em 30/09/2022 17h03

Presidente da CGADB, Pastor José Wellington Costa Junior, ao lado do presidente Jair Bolsonaro Foto: Alan Santos/PR

Por meio de uma nota publicada nesta sexta-feira (29) nas redes sociais, a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) se posicionou sobre as eleições de domingo (2), falando sobre dois pontos inegociáveis.

“Somos contra a desconstrução da Família Tradicional. Somos contra a erotização das Crianças”, diz a publicação.

Presidida pelo pastor José Wellington Costa Junior, a CGADB publicou uma série de imagens no Instagram para falar sobre os pontos que norteiam as escolhas políticas da maior convenção assembleiana do país.

Sobre a desconstrução da família, eles usaram os versículos de Gênesis 2:24 e 2 Samuel 7:29. A defesa da infância tem como base os versículos de Gênesis 1:26,27 e 1 Coríntios 11:11. A convenção também se posicionou contra a ideologia de gênero usando a base bíblica anterior.

Os assuntos estão ligados à escolha de representantes políticos. Deputados estaduais, governadores, deputados federais, senadores e o presidente da República que serão eleitos nos próximos dias. Pastores, obreiros e membros das Assembleias de Deus estão orientados a não elegerem políticos que defendam temas contrários aos que a Igreja prega.

Leia também1 Líder da CGADB alerta pastores contra o PT: "Laço do diabo"
2 Frente Parlamentar Evangélica repudia perseguição do PT
3 "Absurdo", diz pastora Bruna Olly sobre processo do PT
4 PT aciona o TSE contra Bolsonaro e pastor José Wellington Júnior
5 Bolsonaro visita Convenção das Assembleias de Deus em Cuiabá

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.