Leia também:
X Na Fiesp, Lula chama Deltan Dallagnol de “fedelho”

PT diz que “regulação da agroindústria” em plano de governo foi erro

Termo apareceu na diretriz do programa de governo protocolado pelo partido no TSE

Pleno.News - 09/08/2022 21h01

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silvaente Lula Foto: ANTONIO MOLINA/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

A inclusão do termo “regulação da agroindústria” na diretriz do programa de governo da chapa Lula/Alckmin protocolado no Tribunal Superior Eleitoral foi um “erro de revisão”, segundo a assessoria do coordenador do programa de governo do Partido dos Trabalhadores, Aloizio Mercadante.

De acordo com a assessoria, a palavra regulação será retirada da versão final do programa. O termo foi acrescentado na versão das diretrizes do programa protocolado junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 6 de agosto e não fazia parte da edição anterior que a imprensa teve acesso.

O conteúdo restante da diretriz será mantido, segundo a assessoria. O texto fala em “agregar valor à produção agrícola” com a constituição de uma agroindústria de “primeira linha e de alta competitividade mundial”.

Também consta na diretriz o fortalecimento da produção nacional de insumos, máquinas e implementos agrícolas para fomentar o desenvolvimento do complexo agroindustrial.

A presença do termo regulação desagradou a representantes do agronegócio. O setor teme que a regulação citada no texto seja uma referência à eventual interferência do governo no mercado com controle das exportações e da produção.

*AE

Leia também1 Lula e Alckmin assinam a "carta pró-democracia" da Fiesp
2 Horário eleitoral: Lula deverá ter mais tempo do que Bolsonaro
3 Marido de apresentadora morta em acidente: "Dor imensurável"
4 STJ define listas e Bolsonaro definirá 17 integrantes do TRF-6
5 UOL é criticado por dizer que a queda dos preços é 'preocupante'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.