Leia também:
X Lula diz temer ser assassinado durante campanha presidencial

Pesquisa: Bolsonaro cresce três pontos nas intenções de voto

Presidente teve evolução nos números tanto na análise espontânea quanto na estimulada

Paulo Moura - 16/03/2022 09h54 | atualizado em 16/03/2022 12h32

Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro Foto: PR/Alan Santos

Divulgada nesta quarta-feira (16), a pesquisa Quaest/Genial sobre as intenções de voto para presidente da República indicou que o atual chefe do Executivo, Jair Bolsonaro (PL), cresceu três pontos percentuais na análise espontânea em comparação com a pesquisa realizada em fevereiro. No mesmo período, o ex-presidente Lula (PT) caiu um ponto percentual.

De acordo com os números da pesquisa espontânea – que é quando o entrevistado não possui uma lista com os candidatos – Bolsonaro tinha 16% da preferência em fevereiro. Já na análise divulgada nesta quarta, o presidente apareceu com 19% das intenções de voto. O petista, por sua vez, estaria com 28% da preferência em fevereiro, mas caiu para 27% em março.

Na pesquisa estimulada – que é quando a lista é apresentada ao entrevistado – Bolsonaro também reduziu a vantagem. Na comparação com fevereiro, o atual presidente viu seu percentual nas intenções de voto aumentar de 24% para 26%. Por outro lado, Lula caiu de 45% para 44%.

A pesquisa Genial/Quaest fez duas mil entrevistas entre os dias 10 e 13 de março e tem margem de erro de dois pontos percentuais. A análise foi registrada junto à Justiça Eleitoral e protocolada sob o número BR-06693/2022 no dia 10 de março.

Leia também1 Ministério muda classificação indicativa do filme de Gentili
2 Vacina: Pfizer pede autorização de 4ª dose para idosos nos EUA
3 Presidente do Equador decide vetar trechos de lei sobre aborto
4 Fotos! Veja todos os vencedores do Troféu Gerando Salvação
5 Esposa de Renato Kalil deixou carta para as filhas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.