Leia também:
X Militar que matou colega tinha hábito de “brincar” com arma

Não podemos conviver com o fantasma de 2022, diz Valdemar

Presidente do Partido Liberal explicou pedido de anulação de milhares de urnas

Monique Mello - 23/11/2022 16h55 | atualizado em 23/11/2022 17h43

Valdemar Costa Neto Foto: Reprodução/Partido

Em coletiva à imprensa na tarde desta quarta-feira (23), o presidente do Partido Liberal (PL) Valdemar Costa Neto explicou a auditoria nas urnas eletrônicas, explicitada em representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta terça (22). O ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE, havia pedido explicações sobre o relatório do partido, que apontou erros em grupos de urnas.

Valdemar defendeu que a população não poderá conviver nos próximos anos com “o fantasma da eleição de 2022”. Ou seja, sem solucionar o impasse das urnas eletrônicas.

– Não podemos viver com o fantasma da eleição de 2022. Nós temos que solucionar isso. Então, pedimos ao TSE que decida a questão – disse o político.

– Não se trata de pedir outra eleição. Não tem sentido, pois é um processo que envolve milhares de pessoas. Essa nunca foi a nossa intenção. Não estamos discutindo a eleição, estamos discutindo a história do Brasil – prosseguiu.

Em seguida, Valdemar passou a palavra a Marcelo Bessa, advogado do partido, que endossou as informações contidas no relatório apresentado.

– Foi contratada uma assessoria técnica de alto nível, que nos entregou um relatório apontando inconsistência em um determinado grupo de urnas, mais precisamente nas fabricadas antes do ano de 2020 (…). A auditoria concluiu que essas urnas não poderiam ter o resultado certificado, em razão de um defeito no log, que é um elemento essencial para auditoria dessas urnas e a verificação de sua rigidez – apontou o advogado.

Bessa explicou porque o PL solicitou uma verificação extraordinária apenas do segundo turno.

– Escolhemos a opção de pedir a verificação extraordinária no segundo turno, porque entendemos que pela transparência e pela necessidade do devido processo legal e da ampla defesa dos envolvidos, seria impossível fazer com que todas as pessoas eventualmente atingidas por uma decisão do TSE viessem aos autos e se manifestassem – elucidou.

Atendendo ao pedido de manifestação de Moraes, o advogado confirmou que a equipe técnica responsável pela auditoria ratifica todas as informações levantadas sobre as inconsistências de determinadas urnas.

Leia também1 Mourão sobre ação do PL para anular votos: 'Não vai prosperar'
2 PL pede a anulação de um total de 279 mil urnas eletrônicas
3 Câmara aprova convocação de Nardes para explicar declaração
4 Jair Bolsonaro cancela indicação para uma embaixada

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.