Leia também:
X Aras no TSE: Estamos irmanados na defesa do sistema eleitoral

MP Eleitoral contesta registro de candidatura de Kataguiri em SP

Deputado federal tem quatro multas eleitorais em aberto, de acordo com a Procuradoria Regional Eleitoral em São Paulo

Pleno.News - 17/08/2022 07h57 | atualizado em 17/08/2022 08h16

Kim Kataguiri Foto: Claudio Andrade/Câmara dos Deputados

A Procuradoria Regional Eleitoral em São Paulo (PRE-SP) apresentou nesta terça-feira (16) a lista com as primeiras ações para a impugnação de candidaturas registradas no estado. Neste primeiro bloco, há 83 registros contestados pela PRE. O deputado federal Kim Kataguiri (União Brasil), que tenta a reeleição, está na lista. Ele tem quatro multas eleitorais em aberto.

Procurado pelo jornal O Estado de São Paulo, Kataguiri informou que as multas foram parceladas e estão sendo pagas regularmente. Ainda de acordo com o parlamentar, “esta impugnação é um procedimento padrão dentro de uma campanha eleitoral”. Kataguiri completou reforçando que não vê “nenhuma complicação jurídica mais séria” para sua campanha com o pedido da PRE.

Ainda de acordo com o veículo, a maior parte das candidaturas questionadas em São Paulo tem como razão para isso pendências na documentação exigida pela Justiça Eleitoral. O rol de documentos obrigatórios vai desde o balanço financeiro de campanhas anteriores até certidões criminais e de quitação eleitoral.

Já os nomes enquadrados na Lei da Ficha Limpa são minoria na lista da PRE-SP: 20 candidatos. É o caso do ex-deputado Eugênio José Zuliani (União Brasil), candidato ao cargo de vice-governador na chapa de Rodrigo Garcia (PSDB). A Procuradoria diz que ele está inelegível porque teve as contas julgadas irregulares quando foi prefeito de Olímpia, no interior de São Paulo.

A PRE-SP também analisou se os servidores públicos que registraram candidatura pediram afastamento das funções no prazo legal. A promotora Gabriela Manssur, do Ministério Público de São Paulo (MP-SP), teve o registro impugnado justamente por não ter deixado o cargo com a antecedência necessária.

As pendências e irregularidades encontradas pela Procuradoria Eleitoral não têm potencial de deixar os candidatos automaticamente fora das eleições de outubro. As ações apresentadas ainda serão analisadas pelo TRE-SP, que tem até 12 de setembro para decidir se aprova ou não os registros. Em caso de derrota, os candidatos ainda podem recorrer.

*AE

 

Leia também1 Influenciador morre aos 32 anos por complicações da Covid-19
2 MPE pede que Justiça rejeite a candidatura de Daniel Silveira
3 Novo presidente da Colômbia desmonta combate ao tráfico
4 Inflação na Argentina caminha fechar ano na casa dos 3 dígitos
5 MP-SP acusa ex-Globo de fraude para 'herdar' R$ 10 mi do marido

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.