Leia também:
X Suspeita de envenenar enteados com chumbinho é presa no RJ

Moraes diz que o voto não será coagido por “milícias digitais”

Ministro defendeu a utilização das urnas eletrônicas nas eleições brasileiras

Paulo Moura - 21/05/2022 14h08

Alexandre de Moraes Foto: Carlos Moura/SCO/STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou na noite desta sexta-feira (20) que a Justiça Eleitoral atuará para que os votos colocados nas urnas não recebam o que ele chamou de “coação das milícias digitais”. A declaração foi feita em um congresso organizado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

– Não serão as milícias digitais que vão tirar a legitimidade de uma das grandes conquistas do Brasil, que são as urnas eletrônicas. O que a Justiça Eleitoral vai garantir é que o voto colocado na urna vai ser computado e que esse voto não vai receber coação das milícias digitais – disse.

Moraes, que presidirá o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nas eleições deste ano, relatou ainda que se reuniu com presidentes de todos os partidos com representação no Congresso Nacional para falar sobre as urnas eletrônicas. De acordo com o ministro, nenhum dos convidados levantou dúvidas sobre os equipamentos.

– Ninguém, nenhum político dos partidos, nenhum presidente [dos partidos], nenhum tem a mínima dúvida da transparência, da lisura e da integridade das urnas eletrônicas. Então, não serão milícias digitais que vão tirar esta legitimidade de uma das grandes conquistas do Brasil – declarou.

Em outro momento, Moraes ainda afirmou que o objetivo das milícias digitais é deslegitimar as eleições, independentemente do método usado para colher e contar os votos dos eleitores. De acordo com o ministro, mesmo que o instrumento de votação fosse alterado, os ataques seguiriam.

– O problema não é o voto pelo Correio, o problema não é o voto por escrito, o problema não é a urna eletrônica. O problema das milícias digitais é atacar a legitimidade das eleições. Então, você pega um instrumento das eleições e ataca. Se mudar o instrumento, você ataca do mesmo jeito porque assim você deslegitima – completou.

Leia também1 Rede Globo prepara novela com protagonista evangélica
2 Suspeita de envenenar enteados com chumbinho é presa no RJ
3 Karina Bacchi nega ler Bíblia 10h por dia: "Quem dera"
4 Ex-namorado de jovem morta na frente do pai confessa o crime
5 Presidente Bolsonaro participa da Marcha para Jesus de Curitiba

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.