Leia também:
X TSE identifica R$ 605 milhões em transações suspeitas de campanhas

Em entrevista, Ciro afirma que Lula e o PT “são nazistas”

Para o candidato do PDT à Presidência, seus rivais não querem só derrotá-lo, mas sim "exterminar"

Henrique Gimenes - 23/09/2022 21h39 | atualizado em 26/09/2022 15h38

Candidato Ciro Gomes Foto: EFE/Fernando Bizerra

Nesta quinta-feira (23), o candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes, disparou críticas pesadas contra seu rival nas eleições, Luiz Inácio Lula da Silva. Para ele, o ex-presidente e seu partido “são nazistas”.

O comentário foi feito durante uma sabatina promovida pelo jornal Correio Braziliense. Ciro disse que o PT não quer apenas derrotá-lo, quer “exterminar”.

– Estou muito chocado com a falta de escrúpulo do Lula e do PT, estou muito chocado, é impressionante. Me sinto como um cara objeto de extermínio. Eles não querem me derrotar: querem me exterminar. Quase 40 anos de ajudar de vagabundos, quase 40 anos de ajuda para eles e não houve uma parada. Quando o filho do Lula se enrolou no esquema da GameCorp, e nunca contei isso pra ninguém, fui lá ver o que podia fazer. Não tem respeito, nem pudor. São nazistas mesmo e ficam acusando o Bolsonaro de fascista, que é também – destacou.

Durante a entrevista, Ciro também criticou uma adoração a polítcos.

– Adorar político é coisa de povo idiota; nenhuma nação do mundo adora político. Político tem que ser olhado com desconfiança. Bota o pezinho atrás, faz o cara fazer uma análise, olha de onde ele veio – ressaltou.

Leia também1 TSE identifica R$ 605 milhões em transações suspeitas de campanhas
2 Apontarão coisas contra mim nos próximos dias, diz Bolsonaro
3 Pastora critica exposição de nu; clube emite nota de repúdio
4 Lula confirma que "vai fugir" do debate eleitoral no SBT
5 Juíza manda levantar sigilo do Imposto de Renda de Ciro Gomes

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.