Leia também:
X Primeiro lote de vacinas contra a varíola do macaco chega ao país

Eduardo Leite declara optar por neutralidade no segundo turno

"Não se trata de ficar em cima do muro", disse o ex-governador do Rio Grande do Sul

Pleno.News - 07/10/2022 13h34 | atualizado em 07/10/2022 14h11

Eduardo Leite tenta voltar para o governo do RS Foto: Reprodução/Vídeo redes sociais

O ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB), que concorre ao Palácio Piratini em segundo turno ao lado de Onyx Lorenzoni (PL), anunciou que não abrirá o voto à Presidência. A neutralidade na corrida entre Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) foi anunciada em entrevista coletiva transmitida também por meio das redes sociais do tucano. Leite disse que seu lado “é o Rio Grande” e que “não se trata de ficar em cima do muro”.

Em 2018, quando concorreu ao governo gaúcho contra o então governador José Ivo Sartori (MDB), Leite abriu o voto em Bolsonaro no segundo turno.

Leite chegou à segunda etapa da corrida eleitoral por uma margem de pouco menos de 2,5 mil votos, contrariando as pesquisas que o apontavam na ponta da corrida ao Piratini. O candidato de Bolsonaro venceu o primeiro turno, e Leite precisou esperar a contagem dos votos das últimas urnas para deixar Edegar Pretto (PT) para trás.

A disputa no Rio Grande do Sul, conforme avaliam fontes ligadas aos partidos, agora é uma questão matemática: é preciso buscar os votos de Pretto sem perder aqueles já alcançados dentro do eleitorado mais conservador do PSDB – que poderia debandar para Onyx Lorenzoni no caso de uma associação mais formal com o PT.

Do outro lado do cálculo, o desafio é conquistar o maior número possível de apoiadores dentro da fatia abarcada pelo petista no primeiro turno sem declarar apoio formal a Lula no segundo turno, o que é visto por muitos eleitores do PT como uma atitude de endosso à candidatura de Bolsonaro pelo histórico de Leite em 2018.

Os demais candidatos ao governo gaúcho tiveram votação pouco expressiva. Seis candidaturas, incluindo siglas tradicionais como o Progressistas e o PDT, somaram menos de nove pontos porcentuais e acabaram ficando para trás na corrida por apoio.

*AE

Leia também1 Globo antecipa horário de debate do segundo turno
2 Bolsonaro: Esquerda esconde bandeiras em ano de eleição
3 Bolsonaro sugere que terá mais governabilidade com Congresso
4 Cantor Leonardo exalta bandeira do Brasil, sob gritos de "mito"
5 Jair Bolsonaro chama Alexandre de Moraes de ditador

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.