Leia também:
X Polícia resgata engenheiro que foi vítima de ‘golpe do amor’

Após revolta da torcida, time do RJ dispensa o goleiro Bruno

Goleiro tem diversas passagens curtas por clubes pequenos nos últimos anos

Paulo Moura - 07/10/2022 14h59 | atualizado em 09/10/2022 08h58

Goleiro Bruno Fernandes Foto: Reprodução/SBT

A passagem do goleiro Bruno pelo Búzios, time que disputa a quarta divisão do Campeonato Carioca, mal começou e já terminou. O ex-atleta do Flamengo chegou a ser anunciado como novo contratado da agremiação da Região dos Lagos do Rio de Janeiro, mas foi dispensado após repercussão negativa entre os torcedores.

Apesar de o clube ter cancelado o negócio, torcedores organizaram uma manifestação marcada para esta sexta-feira (7), às 16h, em frente à sede do clube para rechaçar a aquisição de Bruno. Nos últimos anos, o goleiro vem tendo passagens relâmpago por clubes pequenos ao redor do Brasil.

Em 2019, Bruno foi contratado pelo Poços de Caldas Futebol Clube (MG). Apesar de os torcedores do clube mineiro dizerem que ele teria o apoio das arquibancadas, seu contrato foi rescindido 23 dias depois de sua chegada. Já em julho deste ano, ele foi anunciado pelo Atlético Carioca, que disputa a Série C do Campeonato Carioca, mas ficou menos de um mês no clube.

Bruno Fernandes foi condenado em 2013 a 22 anos de prisão pelo assassinato de Eliza Samudio, crime que aconteceu em 2010. Em 2017, Bruno teve a pena reduzida para 20 anos e nove meses. Já em 2019, o goleiro teve direito a passar para o regime semiaberto domiciliar.

Leia também1 Eleições: PL é o partido com mais deputados eleitos no Nordeste
2 "É um risco real", alerta Jair Bolsonaro sobre comunismo
3 Eduardo Leite declara optar por neutralidade no segundo turno
4 Primeiro lote de vacinas contra a varíola do macaco chega ao país
5 Lula recebeu 90,3% dos votos entre presidiários na Paraíba

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.