Leia também:
X Covidão: 3,3 mil denúncias já atingem 12 estados e o DF

Barroso quer adiamento das eleições e horário estendido

Pleito que normalmente vai até 17h pode ser ampliado para 20h

Paulo Moura - 14/06/2020 10h55 | atualizado em 14/06/2020 10h57

Ministro Luís Roberto Barroso Foto: STF/Fellipe Sampaio

Em entrevista ao jornal Estado de São Paulo, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que já é hora de acontecer uma definição sobre as eleições deste ano, que devem sofrer com o impacto da pandemia do novo coronavírus.

Durante a conversa, o presidente da Corte afirmou que lançou propostas ao Congresso, que será o responsável por chancelar as alterações, de adiar o pleito e também estender o horário de votação. Entre a janela proposta por Barroso, está o período que vai entre 15 de novembro e 20 de dezembro para realização do segundo turno.

– Eu me reuni por videoconferência com médicos de diferentes especialidades altamente respeitados nas suas áreas. Todos eles opinaram no sentido da conveniência de se adiarem as eleições por algumas semanas. Pela percepção que, possivelmente em setembro, a curva da doença já estaria decrescendo – disse Barroso.

Sobre o aumento do horário de votação, que atualmente vai de 8h até 17h, o ministro afirmou que o ideal seria estender para o período das 8h às 20h, como forma de evitar aglomerações e assim conseguir criar uma preferência para faixas etárias por horário.

– A ideia de estender o horário é muito provável que seja encampada, fazermos possivelmente de 8h às 20h. Com isso, ganharíamos três horas. Tudo envolve logística. Quando você estende o prazo, as pessoas têm que trabalhar mais tempo, talvez ter mais uma refeição – destacou.

Questionado sobre o combate contra as notícias falsas durante o pleito, Barroso afirmou que o TSE quer manter conversas com as plataformas tecnológicas como WhatsApp, Facebook, Instagram e Google para monitorar e neutralizar ações que possam impactar as eleições.

– Queremos controlar as fake news menos pelo conteúdo e mais pelos mecanismos de difusão. Contamos, em primeiro lugar, com a participação das plataformas tecnológicas. Vamos conversar individualmente com cada uma delas – completou.

Leia também1 Bolsonaro lista erros da OMS e diz: 'Perdeu a credibilidade'
2 Data das eleições municipais será decidida nesse mês
3 Julgamento da chapa de Bolsonaro é suspenso pelo TSE
4 TSE autoriza que convenções partidárias sejam virtuais
5 Eleições: Bolsonaro diz que não pretende apoiar prefeitos

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.