Leia também:
X Gabriel Monteiro: ‘Vou combater o bom combate’ como vereador

Barroso minimiza assassinatos políticos: “Casos limitados”

No entanto, presidente do TSE disse que crimes são um problema relevante

Pleno.News - 16/11/2020 17h23

Presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso Foto:Roberto Jayme/ASCOM/TSE

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, avaliou, num balanço do primeiro turno de disputas municipais, que a ocorrência de assassinatos políticos é um problema relevante, mas associado à criminalidade em geral. Ao comentar pesquisa sobre a escalada da violência no setor, ele disse na tarde deste domingo (15), que, pelas suas informações, os crimes cibernéticos foram os únicos com registros de ligeiro aumento.

– O Brasil vive já há alguns anos um problema de violência endêmica, que não tem nenhuma relação com o processo eleitoral. O Brasil é um país que tem 60 mil homicídios por ano, o que nos faz um dos países mais violentos do mundo. Ao longo do processo eleitoral, essa violência não cessa, e até pontualmente pode se agravar relativamente à política. Mas o número de casos é um número bastante limitado, sobretudo se contrastarmos com os índices da criminalidade em forma de geral – disse Barroso.

Monitoramento do Estadão mostra que 95 pessoas foram assassinadas por motivações políticas no país de janeiro para cá, sendo 25 candidatas e pré-candidatas a vereador e a prefeito. O ano eleitoral de 2020 é o segundo com mais registros de mortes no setor desde a redemocratização, em 1979.

Pela legislação, o assassinato político, como qualquer homicídio, deve ser coibido e investigado pelas polícias e pelo Ministério Público e punido pela Justiça comum. Mas suas motivações decorrem de processos de disputa pelo poder, que são regidos por normas próprias e fiscalizados pelo TSE e pelos TREs O ministro Barroso sinalizou que a questão não está entre as prioridades na pauta do Tribunal.

– É um problema dramático, que precisamos enfrentá-lo, mas esse não é um problema da Justiça Eleitoral – afirmou Barroso.

*Estadão

Leia também1 Derrotas nas eleições! PT perde prefeituras e segue em "declínio"
2 Candidatos apoiados por Luciano Huck não foram eleitos
3 Marido de Sarí Corte, prefeito de Tamandaré não se reelege
4 Candidato a vereador descobre que divulgou número errado
5 Anão que Bolsonaro segurou no colo se reelege em Sergipe

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.