Leia também:
X Ciro diz que o PT virou “uma organização odienta de poder”

PF conclui que agressor de Jair Bolsonaro agiu sozinho

Inquérito apontou ainda que atentado foi motivo por razões políticas

Henrique Gimenes - 28/09/2018 17h37 | atualizado em 28/09/2018 18h09

Adelio Bispo de Oliveira Foto: Arte/Pleno.News

Nesta sexta-feira (28), a Polícia Federal finalizou o inquérito do atentado cometido contra o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro. O documento, as autoridades concluem que Adélio Bispo de Oliveira agiu sozinho no momento em que o ataque ocorreu e que sua motivação foi política. As informações foram dadas pelo portal G1.

O presidenciável foi esfaqueado na barriga durante um evento de campanha no dia 6 em Juiz de Fora, Minas Gerais. Ele precisou ser operado em uma unidade de saúde na cidade e depois foi transferido para o hospital Albert Einsten em São Paulo, onde permanece. O agressor foi preso no mesmo dia e será indiciado por atentado pessoal por inconformismo político.

De acordo com o veículo, o inquérito aponta que “no que tange à participação ou coautoria no local do evento, a partir de evidência colhidas, descarta-se o envolvimento de terceiros”. Diz ainda que, após analisar todas as evidências, o agressor “esteve acompanhando o presidenciável Jair Messias Bolsonaro durante todo o dia” e “configuram-se, portanto, indubitavelmente, indícios robustos de que houve uma decisão prévia, reflexiva e arquitetada, por parte de Adélio Bispo de Oliveira para atentar contra a vida do candidato”.

O caso é coordenado pelo delegado Rodrigo Morais. As conclusões aponta ainda que os dados bancários do agressor não “não trouxeram indicativos de aportes de recursos de suspeitos”. Com relação ao computador de Adélio, a PF aponta que ele possuía “arquivos relacionados a contatos de pessoas, partidos e organizações afinadas com a ideologia de esquerda”.

Um novo inquérito, no entanto, foi aberto “a fim de identificar eventuais pessoas ou grupos criminosos que possam supostamente ter atuado como mandantes, colaboradores materiais ou mesmo instigando ou induzindo o autor”.

Leia também1 Jair Bolsonaro deve ter alta no domingo, diz boletim médico
2 Jair Bolsonaro posta foto e diz estar "voltando à ativa"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.