O que Guilherme Boulos acha sobre religião, aborto e gays

Favorável ao aborto e casamento gay, o paulistano busca o voto dos liberais

Pleno.News - 24/05/2018 12h12

Guilherme Boulos é pré-candidato pelo PSOL Foto: Agência PT/Lula Marques

Atualmente são 20 os pré-candidatos à Presidência da República. Para ajudar a conhecer um pouco mais sobre cada um, o Pleno.News preparou um perfil deles.

Confira aqui o de Guilherme Boulos (PSOL), que concorre ao cargo pela primeira vez:

TRAJETÓRIA
O paulistano Guilherme Boulos se formou em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP) e trabalhou como professor e psicanalista antes de ingressar na política. Ele também ingressou no Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) em 2002, de onde é militante.

Boulos já foi preso diversas vezes desde 17 de janeiro de 2017, quando foi acusado de cometer desobediência judicial, incitação à violência e lançar rojões contra a Polícia Militar. Suas prisões subsequentes também foram por embates com policiais.

Ingressou no Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) já como pré-candidato à Presidência da República. Esta será a primeira vez que disputa o cargo. É colega próximo de Luiz Inácio Lula da Silva, com quem esteve durante diversos eventos em prol do MTST e PT.

RELIGIÃO E FAMÍLIA
Não há informações sobre a religião de Guilherme Boulos. No entanto, ele já falou publicamente do “efeito terapêutico” que reconhece que as religiões têm na população, parte de sua tese de mestrado em Psicanálise.

Porém, declarou que o papel das igrejas pode ser comparado ao das ocupações sociais e que essas têm vantagem sobre as igrejas pois “tem algo que a atuação nas igrejas não inclui: a participação e o protagonismo nas mobilizações sociais”.

É filho único do médico Marcos Boulos com Maria Ivete Castro Boulos. Ele não é casado e nem tem filhos.

ABORTO
Guilherme Boulos é favorável à legalização do aborto. O político defende que permitir a prática é um ato de saúde pública e responsabilidade social.

– Sobretudo, a questão não é ser favor ou contra o aborto. A questão é ser a favor de que as mulheres tenham o direito de decidir sobre o seu corpo. E essa é uma posição que nós vamos levar adiante – declarou em 2015, ao programa Havana Connection

GAYS
O paulistano também é a favor da legalização do casamento homossexual. Em março deste ano, falou ao portal Nexo sobre suas opiniões.

– É preciso regulamentar o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. A diversidade de escolha sexual tem que ser respeitada para cada uma das pessoas. Esse é um tema em que nem o Estado nem a religião devem impor preceitos – disse.

LEIA TAMBÉM+ O que Manuela D'Ávila acha sobre religião, aborto e gays
+ O que Fernando Collor acha sobre religião, aborto e gays
+ O que Fernando Haddad acha sobre religião, aborto e gays