CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X Polícia salva bebê de 3 meses de ser sufocado pela mãe

Ciro: “Brasil não merece escolha entre PT e Bolsonaro”

Candidato do PDT também afirmou que quer unir brasileiros contra fascistas violentos

Henrique Gimenes - 16/09/2018 16h31

Ciro Gomes diz que não queria que Brasil tivesse que escolher entre PT e Bolsonaro Foto: André Carvalho/CNI

O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, afirmou, nesta domingo (16), que os brasileiros não merecem ter que decidir entre o PT ou Jair Bolsonaro no segundo turno das eleições. O presidenciável disse ainda querer unir os cidadãos que respeitam a diferença para derrotar os “fascistas violentos”.

A declaração foi dada durante evento de campanha em São Paulo. Ciro comentou o resultado da última pesquisa Datafolha, que o colocou empatado em segundo lugar com o candidato do PT, Fernando Haddad, e atrás do candidato do PSL. Para ele, é preciso organizar os brasileiros decentes para evitar a escolha no segundo turno.

– Eu quero organizar todos os brasileiros, homens e mulheres decentes, que dão valor ao trabalho e que não querem ser levados a um segundo turno que os leve a escolher entre o fascismo ou premiar todas as contradições gravíssimas do PT. Isso é uma escolha que o brasileiro não merecia – explicou.

Ciro Gomes ainda disse que pretende reunir os trabalhadores que respeitam as diferenças no Brasil para vencer aqueles que espalham a cultura de ódio no país. Para o candidato, o povo irá “eleger o fim da polarização odienta, do ódio na política” e “construir um projeto nacional de desenvolvimento encantador”.

– Quero unir o cidadão que trabalha, que respeita as diferenças, respeita as orientações sexuais diversas, as mulheres, negros, indígenas, meio ambiente, esse Brasil. O resto temos que derrotar, esse gueto de fascistas violentos, egoístas, que introduzem a cultura do ódio no Brasil – apontou.

Durante o evento, o presidenciável também criticou o PT e disse que o partido não aprendeu nada durante o tempo que esteve no governo e que voltou a fazer alianças com os mesmos de antes.

– Se nós pedirmos para o povo refletir onde começa essa tragédia que nós estamos vivendo, qual é a data do desemprego, onde começam a quebrar as contas, onde se vulnerabilizou, o colapso da própria democracia, é o PT. O PT em aliança com Renan, Eunício, Eduardo Cunha. Isso que estão fazendo de novo. Não aprendeu rigorosamente nada – destacou.

Leia também1 País não suporta populismo do PT e de Bolsonaro, diz Alckmin
2 Haddad: 'Derrota em 2016 foi pelo clima de antipetismo'

Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo