Leia também:
X RJ: Radialista da Melodia FM é baleado em assalto a ônibus

Eduardo Bolsonaro denuncia Facebook por censura

Contas associadas à ultradireita foram banidas da rede social

Rafael Ramos - 04/05/2019 11h28 | atualizado em 04/05/2019 12h34

Eduardo Bolsonaro acusou o Facebook de censura à militantes da direita Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

O deputado federal Eduardo Bolsonaro denunciou o Facebook por censura. Nesta quinta (2), a rede social baniu permanentemente contas de usuários e organizações considerados perigosos por seu discurso antissemita e de ultradireita.

– Comumente perfis de direita são banidos de redes sociais. A desculpa é sempre a mesma: espalhar fake news ou discurso de ódio. Igualmente frequente é a clareza com que são desculpas esfarrapas usadas para punir os banidos que têm discurso contra a esquerda. Próximo passo é pensar o que fazer para reagir – protestou Eduardo.

Paul Joseph Watson foi um dos usuários banidos do Facebook Foto: Reprodução

Entre as contas banidas estão os militantes Milo Yiannopoulos, Paul Joseph Watson e Laura Loomer; o editor do Infowars, Alex Jones; o supremacista branco americano Paul Nehlen e o líder do Movimento Nação de Islã, Louis Farraklan.

– Tradicionais veículos de comunicação que a todo momento espalham fake news não são banidos das redes. Mas perfis de pessoas comuns, conservadores de direita, a todo momento sofrem perseguição quando se é notório que não espalham fake news e sim usam sua liberdade de expressão – comentou o parlamentar.

As contas excluídas no Facebook também foram removidas do Instagram. Em 2018, a empresa de Mark Zuckerberg já havia retirado quatro páginas de Alex Jones do ar.

Leia também1 Censura?! Danilo Gentili tem perfil suspenso pelo Facebook
2 Público pede boicote ao Burger King após vídeo polêmico
3 Aluno denuncia perseguição ideológica em universidade

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.