Leia também:
X Lira: ‘MP do racionamento dará segurança jurídica ao governo’

Defesa diz que Monique foi envolvida em ‘desgraça familiar’

Advogados pedem revogação da prisão da professora

Gabriela Doria - 15/06/2021 17h29 | atualizado em 15/06/2021 22h19

Monique Medeiros ficará separada de outras detentas Foto: Agência O Globo/Brenno Carvalho

Os advogados de Monique Medeiros, mãe do pequeno Henry Borel, de 4 anos, morto em março deste ano, alega à Justiça que a professora foi “envolvida em desgraça familiar” com a morte filho. Eles dizem ainda que ela estava dormindo no momento em que o filho sofreu as agressões fatais.

Segundo a defesa, Monique havia ingerido fortes medicamentos administrados pelo médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho. A versão foi confirmada pelo próprio parlamentar, em depoimento no dia 8 de abril.

Os representantes de Monique sustentam que sua cliente confirmou a versão inicial dada por Jairinho, de que poderia ter ocorrido um acidente, porque ela vivia em um relação abusiva e violenta, além de ser financeiramente dependente do companheiro.

Com base nessas alegações, os advogados Thiago Minagé, Hugo dos Santos Novais e Thaise Mattos entraram com um pedido para revogar a prisão de Monique, além de acesso integral aos autos da investigação e da anulação do inquérito por supostas irregularidades, como a apreensão de celulares e computadores sem os cuidados necessários.

Monique e Jairinho estão cumprindo prisão preventiva e respondem por tortura e homicídio triplamente qualificado com emprego de tortura.

Leia também1 Conselho de Medicina do Rio suspende registro de Dr. Jairinho
2 Mãe de Eliza Samudio diz que filha foi morta por queima de arquivo
3 Mansão de Jairinho, no RJ, está sendo vendida por R$ 3 milhões
4 MPRJ irá pedir o bloqueio de bens de Jairinho e de Monique
5 Polícia indicia Dr. Jairinho e ex por tortura a outra criança

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.