Leia também:
X RS libera comércio em regiões pouco afetadas por Covid-19

Damares defende templos abertos: ‘Socorro emergencial’

Ministra lembrou de cidades que não têm estrutura para acolher pessoas

Gabriela Doria - 15/04/2020 19h21 | atualizado em 15/04/2020 19h36

Ministra Damares Alves defendeu abertura de templos Foto: PR/Isac Nóbrega

A ministra dos Direitos Humanos Damares Alves defendeu, em entrevista à CNN Brasil, nesta terça-feira (14), que os templos religiosos permaneçam abertos para atender ao público durante a pandemia. Damares argumentou que esses espaços e seus líderes podem dar apoio a pessoas desamparadas neste momento.

– Quando a gente fala em “templo” nos grandes centros, a gente tem a imagem de templos lotados. Mas e naquela cidade lá no interior da Amazônia, onde não tem um psiquiatra de plantão? Não tem um psicólogo no município? Quando uma mãe tem uma criança em surto psicótico, sabe quem ela procura? Um templo, um pastor ou um padre. Esses templos ficarem abertos, inclusive para socorro emergencial, neste momento de coronavírus, nós entendemos como necessário – disse a ministra.

O comentário de Damares surge em meio a um impasse constitucional entre proibir a abertura de igrejas e locais de culto em diversas regiões do país. O presidente Jair Bolsonaro chegou a editar um decreto incluindo a realização de cultos no rol de atividades essenciais, o que permitiria o funcionamento dos templos mesmo durante a pandemia.

No entanto, a Justiça Federal de Brasília determinou que esta atividade fosse retirada da lista de atividades essenciais.

Sobre o assunto, o Ministério da Saúde recomendou que os templos continuassem aberto, mas que não houvesse aglomeração de pessoas dentro desses locais.

Leia também1 Covid-19: Número de pessoas curadas chega a 500 mil
2 Pastor trata sobre a atuação do Espírito Santo em ebook
3 "Vi o amor de Deus", diz homem curado da Covid-19

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.