Leia também:
X Professora aponta Bolsonaro como ‘inimigo global’ em prova

Começa, nesta quinta, a consulta pública sobre vacinação infantil

Veja como deixar sua opinião

Pleno.News - 22/12/2021 12h50 | atualizado em 22/12/2021 14h19

Criança recebendo vacina na Itália Foto: EFE/EPA/Jessica Pasqualon

O Ministério da Saúde oficializou nesta quarta-feira (22) a consulta pública que coletará manifestações da sociedade civil sobre a vacinação contra a Covid-19 em crianças com idade de 5 a 11 anos. A vacina da Pfizer para essa faixa etária foi autorizada recentemente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O período de consulta terá início nesta quinta-feira (23) e vai até o dia 2 de janeiro de 2022. As contribuições podem ser enviadas clicando aqui. Nessa página, está disponível a documentação relativa à consulta pública, conforme publicado no Diário Oficial da União.

ANVISA
Após a aprovação da vacina para crianças, diretores e servidores da Anvisa passaram a receber ameaças de morte. Por isso, a agência pediu investigações e proteção policial para os servidores ameaçados.

De acordo com a Procuradoria-Geral da República (PGR), o Ministério Público Federal no Distrito Federal e no Paraná (primeira instância) está atuando no caso, com o apoio da Polícia Federal.

Ainda segundo a PGR, até o momento os procuradores não encontraram indícios do envolvimento de pessoas com prerrogativa de foro, o que levaria o caso para a instância superior, que é a própria PGR.

DECISÃO
Em live nas redes sociais, feita na última quinta-feira (16), o presidente Jair Bolsonaro informou ter pedido o “nome das pessoas que aprovaram a vacina para crianças a partir de 5 anos”. De acordo com o presidente, a intenção era “divulgar o nome dessas pessoas para que todo mundo tome conhecimento de quem foram essas pessoas e forme seu juízo”.

No último sábado (18), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que a decisão do governo sobre a vacinação de crianças de 5 a 11 anos será tomada no dia 5 de janeiro, após audiência e consulta públicas.

Em conversa com jornalistas, Queiroga disse que a autorização da Anvisa não é decisão suficiente para viabilizar a vacinação para esse grupo.

– A introdução desse produto dentro de uma política pública requer uma análise mais aprofundada. E, no caso de imunizantes, a análise técnica é feita com o apoio da Câmara Técnica Assessora de Imunizações – disse Queiroga.

*Agência Brasil

Leia também1 Professora aponta Bolsonaro como 'inimigo global' em prova
2 Polícia Federal prende chefe de gabinete do governador do Acre
3 OMS: Ômicron se quadriplicou no mundo em apenas 1 semana
4 Nunes rebate Olavo: 'Bolsonaro se elegeu sem ajuda de ninguém'
5 Após funk na lancha, Michelle brinca: 'Acompanhando de perto'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.