Leia também:
X Penso que maioria do PP aceita a filiação de Bolsonaro, diz Lira

Colunista é intimado pela PF por criticar Nunes Marques

Conrado Hübner Mendes é acusado de injúria, calúnia e difamação

Gabriela Doria - 18/10/2021 22h00 | atualizado em 19/10/2021 10h16

Conrado Hübner Mendes foi intimado pela PF após pedido do ministro Nunes Marques Foto: Reprodução TV Globo

A Polícia Federal intimou o colunista do jornal Folha de S. Paulo e professor da Universidade de São Paulo, Conrado Hübner Mendes, a prestar depoimento. Conrado dará esclarecimentos a pedido do ministro Kassio Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), que quer apurar se o colunista cometeu crimes de calúnia, injúria e difamação ao criticá-lo em textos publicados em sua coluna.

O pedido de investigação de Nunes Marques foi feito à Procuradoria-Geral da República (PGR). Entre os objetos da insatisfação do ministro está a crítica de Conrado à sua decisão em liberar a realização de cultos religiosos durante a pandemia. A decisão foi derrubada posteriormente pelo plenário.

No artigo, Conrado se refere a Nunes Marques como “juiz mal-intencionado e chicaneiro”.

– A decisão do ministro Kassio Nunes, tomada na noite de sábado, não foi improviso. O episódio não se resume a juiz mal-intencionado e chicaneiro que, num gesto calculado para consumar efeitos irreversíveis, driblou o plenário e encomendou milhares de mortes – escreveu o colunista.

Ainda em meados deste ano, o professor da USP também foi alvo de uma notícia-crime apresentada pelo procurador-geral da República Augusto Aras. O PGR acusou Conrado por calúnia, injúria e difamação após ter sido chamado de “Poste Geral da República”.

– O Poste Geral da República é um grande fiador de tudo que está acontecendo, sobretudo da neutralização do controle do MS [Ministério da Saúde] na pandemia. É gravíssima a omissão e desfaçatez de Aras – escreveu o colunista na ocasião.

A ação de Aras foi rejeitada pela juíza federal Pollyana Kelly Maciel Medeiros Martins Alves, da 12ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal. A magistrada entendeu que o colunista estava amparado no direito à liberdade de expressão.

Leia também1 Deputado chama CNBB e papa de “vagabundos” e “pedófilos”
2 Se Haddad estivesse aqui, vocês veriam a desgraça, diz Bolsonaro
3 Câmara define data para ouvir Guedes falar sobre offshores
4 Flavio agradece aos médicos que salvaram a vida de Bolsonaro
5 Bolsonaro receberá o presidente da Colômbia nesta terça-feira

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.