Leia também:
X Prefeita que desafiou Doria: ‘Não sou negacionista, sou realista’

CNBB inclui temática LGBT na nova Campanha da Fraternidade

Texto que embasa campanha traz termos geralmente usados em movimentos de esquerda como "discurso de ódio" e "fundamentalismo religioso"

Paulo Moura - 04/02/2021 11h05 | atualizado em 04/02/2021 11h57

Campanha da Fraternidade incluiu temática LGBT em seu texto Foto: Reprodução

Como parte da 5ª edição da Campanha da Fraternidade Ecumênica que acontece este ano, a Confederação Nacional de Bispos do Brasil (CNBB) decidiu incluir um assunto polêmico e que tem dividido opiniões dentro da Igreja Católica: o movimento LGBT e as “questões de gênero”.

No texto-base da campanha deste ano, na página 33, item 68, a CNBB traz um texto dotado de termos utilizados especialmente pela esquerda em suas discussões, como “discurso de ódio”, “fundamentalismo religioso”, “vozes contra o reconhecimento dos direitos” e o principal, um trecho dedicado exclusivamente ao chamado “movimento LGBTQI+”.

No documento, a CNBB utilizou dados de uma associação denominada “Grupo Gay da Bahia”, apresentados no Atlas da Violência 2020, do ano de 2018, para falar sobre homicídios de homossexuais no país. De acordo com a entidade, os homicídios “são efeitos do discurso de ódio, do fundamentalismo religioso, de vozes contra o reconhecimento dos direitos das populações LGBTQI+ e de outros grupos perseguidos e vulneráveis.”

Trecho do texto-base da Campanha da Fraternidade que fala sobre o grupo LGBTQI+ Foto: Reprodução

Na internet, personalidades católicas criticaram a decisão da CNBB de impor o tema na agenda da Campanha. Tiba Camargos, um dos principais nomes do movimento pró-vida no Brasil, afirmou que a entidade têm usado uma guerra semântica para “ludibriar o povo”.

– Quem elaborou o texto-base e os bispos que aprovaram isso têm responsabilidade e obrigação de saber disso. Não é algo novo, é algo básico diante dessa guerra que estamos vivendo. Eles trazem no texto pesquisa da própria militância LGBTQI+, que já foi desacreditada porque não tem base científica – disse Tiba em seu canal no YouTube.

Leia também1 Escócia: Cristãos abrem processo contra restrições do governo
2 Papa Francisco recebe 2ª dose de vacina contra Covid-19
3 Pastor é curado da Covid-19 após orações de enfermeiras
4 Líderes da Hillsong são acusados de gastos extravagantes
5 Damares acompanhará caso de menino acorrentado em barril

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.