Leia também:
X Em texto emocionante, pai de Henry faz homenagem ao filho

Tribunal de Contas do Município do Rio exonera mãe de Henry

A publicação foi feita em Diário Oficial nesta sexta, mas data da dispensa é retroativa ao dia 24 de março

Paulo Moura - 09/04/2021 08h47 | atualizado em 09/04/2021 09h08

Monique Almeida foi exonerada de cargo no Tribunal de Contas Foto: Reprodução/Record TV

Presa na quinta-feira (8), acusada pela morte do filho Henry Borel, que ocorreu no dia 8 de março, a professora Monique Medeiros Costa e Silva de Almeida foi exonerada nesta sexta-feira (9) do cargo que ocupava no Tribunal de Contas do Município (TCM) do Rio de Janeiro. Monique era lotada no gabinete do conselheiro Luiz Antônio Guaraná, com salário de R$ 12.177,04.

No documento publicado no Diário Oficial desta sexta-feira (9), a exoneração de Monique consta com data retroativa ao dia 24 de março. A professora e o padrasto da criança, o médico e vereador Jairo Souza Santos, o Dr. Jairinho, foram presos acusados de matar o menino Henry.

A investigação da 16ª DP, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, revelou que Henry era vítima de agressões de Jairinho e que Monique sabia, mas não denunciou e nada fez para afastar o filho do agressor. Em mensagem trocada com a babá do menino, Thayna de Oliveira Ferreira, em 12 de fevereiro, esta havia informado à mãe de Henry que Jairinho “deu uma banda [rasteira] e chutou” o garoto.

O 2° Tribunal do Júri então decretou a prisão de Jairinho e de Monique por 30 dias. A polícia ainda informou que a babá de Henry mentiu para polícia alegando que “nunca viu qualquer marca de violência no corpo de menino”, como consta no depoimento. A babá voltará a prestar depoimento e pode responder pelo crime de falso testemunho.

De acordo com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) do Rio de Janeiro, Monique está presa no Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói, Região Metropolitana. Jairinho foi levado para o presídio Pedrolino Werling de Oliveira, no Complexo de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste. Em razão da pandemia do coronavírus, os dois vão ficar em isolamento por 14 dias.

Leia também1 Em texto emocionante, pai de Henry faz homenagem ao filho
2 Software israelense foi muito importante na investigação, diz delegado
3 Polícia apura se Jairinho bancou churrasco após morte de Henry
4 Caso Henry Borel: Deputado do Rio defende pena de morte
5 Vereador Dr. Jairinho pode perder o registro de médico

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.