Leia também:
X Bolsonaro e Netanyahu visitam sinagoga no Rio

Toffoli proíbe transferência de Pezão ao final do mandato

Governador do Rio de Janeiro deve continuar em batalhão da Polícia Militar

Henrique Gimenes - 28/12/2018 21h10 | atualizado em 02/01/2019 14h26

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, determinou, nesta sexta-feira (28), que o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, não seja transferido para uma prisão comum ao final do seu mandato. Ele atendeu a um pedido da defesa do político.

Pezão está preso no Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar, em Niterói, desde o dia 29 de novembro. O governador foi alvo de uma operação da Lava Jato, suspeito de ter participado de um esquema envolvendo o ex-governador Sérgio Cabral.

No pedido, a defesa afirmou que transferir Pezão a partir do dia 1º de janeiro, quando termina seu mandato, poderia ocasionar um “grave risco à sua segurança pessoal, pois terá acabado de deixar o cargo e terá contato com outros detentos, o que não é, nem de longe, recomendável”.

Em sua decisão, Toffoli afirmou que o risco de uma transferência “justifica, salvo melhor juízo, a adoção de medida preventiva para, frente à dignidade do cargo ocupado, obstar a admissão de qualquer tipo de medida que possa comprometer a segurança pessoal, física e psíquica do custodiado”.

A defesa do governador também apresentou um pedido de habeas corpus, o que foi negado pelo presidente do STF.

Leia também1 Bolsonaro parabeniza governo do RJ por fim de vistoria anual
2 João de Deus é denunciado pelo MP por violação sexual

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.