Leia também:
X Maia chama Felipe Neto para tratar sobre PL das Fake News

STF põe em prisão domiciliar preso que fugiu pela escada

Conselheiro do TCE-MT tentou destruir cheques da Polícia Federal

Pleno.News - 01/08/2020 19h25

Waldir Teis foi preso flagrado jogando cheques no lixo Foto: Divulgação/TCE-MT

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Dias Toffoli, converteu em domiciliar a prisão preventiva de um homem que foi flagrado fugindo pelas escadas da sede do TCE-MT para jogar cheques no lixo. A decisão foi nesta sexta-feira (31).

Waldir Teis era conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso e foi preso por determinação do STJ (Superior Tribunal de Justiça) após a justiça analisar as imagens do circuito interno do prédio do seu escritório.

No vídeo, o conselheiro saindo do escritório e descendo as escadas em alta velocidade seguido por um agente da Polícia Federal. Ao chegar a o térreo, o agente encontra o conselheiro tirando várias folhas de cheques do bolso e as jogando na lata do lixo. Os cheques, somados, valiam cerca de R$ 450 mil.

A ação ocorreu no dia 17 de junho durante a 16ª fase da Operação Ararath. Na ocasião, Waldir Teis não foi preso em flagrante porque, como conselheiro, tem imunidade que restringe a possibilidade de prisão em caso de crimes afiançáveis. A prisão ocorreu só no dia 1º de julho, quando o conselheiro se entregou à Polícia Federal.

Ele foi denunciado por obstrução de justiça pelo MPF (Ministério Público Federal), que pediu a devolução de R$ 3 milhões por danos morais. A Operação Ararath investiga esquema de corrupção, lavagem de dinheiro, financiamento clandestino de campanhas eleitorais e enriquecimento ilícito, entre 2006 a 2014, envolvendo políticos, empresários e bancos em Mato Grosso.

O MPF investiga o patrimônio dos conselheiros desde 2017, quando o ex-governador Silval Barbosa firmou delação premiada e confessou que havia selado um acordo com membros do TCE-MT para que ele pagasse R$ 53 milhões a título de propina em 2013.

O pagamento foi efetuado para impedir que os conselheiros investigassem as obras da Copa do Mundo de 2014.

*Folhapress

Leia também1 Plataformas da Petrobras irão ganhar nomes de militares
2 Ex-integrante do MBL avalia: "O orgulho precede a queda"
3 Alckmin vira réu por lavagem de dinheiro e corrupção
4 MP tem maioria para afastar Deltan Dallagnol da Lava Jato
5 "Felipe Neto não é referência para guiar outras pessoas"

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.