Leia também:
X PT quer abrir igreja evangélica ligada ao partido

Secretário fala em confronto por polícia durante ato de Tarcísio

Em coletiva, João Camilo disse não descartar nenhuma hipótese sobre o tiroteio

Pleno.News - 17/10/2022 17h14 | atualizado em 17/10/2022 18h14

João Camilo Foto: Reprodução/CNN Brasil

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, general João Camilo, afirmou, nesta segunda-feira (17), que não descarta nenhuma hipótese sobre o tiroteio que interrompeu uma agenda de campanha do candidato ao Palácio dos Bandeirantes Tarcísio de Freitas (Republicanos), em Paraisópolis, na manhã desta segunda. Mas informações preliminares apontam para um confronto motivado pela presença das forças policiais na região.

– Eu entendo que a investigação vai de maneira ampla, mas entendemos um confronto pela presença policial [que gerou] um ruído. Seria um indício de que o fato pende para outra linha de investigação [que não um atentado], mas nada é dispensado. Na nossa opinião, ainda é prematuro com os dados que nós temos dizer isso – afirmou.

Segundo o secretário, o confronto ocorreu a cerca de 100 metros de onde estava Tarcísio, às 11h40 da manhã. O candidato participava da inauguração de um polo universitário. As autoridades informaram que um grupo de oito pessoas, dois portando armas longas, entraram em um primeiro confronto com seguranças à paisana, que incluia também policiais militares, que faziam a segurança de Tarcísio. A polícia ostensiva chegou ao local na sequência. A campanha de Tarcísio chama o episódio de tentativa de intimidação.

– Na dinâmica dos fatos, algo ainda tendo em vista o ruído da polícia estar nesse ambiente. As motos, aqueles que estavam fazendo a ponta. Em uma comunidade enorme, muito importante para São Paulo, é naturalmente contrária a presença de policiais lá dentro. Essa situação não é novidade para a gente, das várias entradas você causa desconforto – completou o general João Camilo.

As autoridades também afirmaram que não há registro de tiros disparados contra o prédio em que a equipe de Tarcísio estava, ou contra o veículo que transportou o candidato. Uma van escolar, porém, foi baleada, e um dos homens envolvidos no confronto morreu. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, ele já havia sido detido anteriormente por outro crime.

*AE

Leia também1 Veja o momento em que tiros interrompem agenda de Tarcísio
2 Após tiros em ato de Tarcísio em SP, Haddad prega a "paz"
3 Garcia pede apuração "imediata" de tiros em agenda de Tarcísio
4 Bolsonaro comenta violência sofrida por Tarcísio em agenda
5 Ladrão cai de telhado e desmaia ao tentar fugir após furto

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.