Leia também:
X Mesmo com restrições, SP registra 1.095 mortes em 24h

Seap apura supostas regalias a Monique e Jairinho na prisão

Direção do Presídio Frederico Marques, na Zona Norte do Rio, pediu para deixar o comando do local após discordar das denúncias

Paulo Moura - 14/04/2021 14h23 | atualizado em 14/04/2021 16h00

Prisão de Jairinho e Monique Medeiros Foto: Agência O Globo/Carlos Elias Junior

A Secretaria de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro (Seap) apura a ocorrência de supostas regalias concedidas ao casal Monique Medeiros e Jairo Souza, o vereador Dr. Jairinho, quando os dois ingressaram no sistema carcerário, depois de serem presos na investigação que apura a morte do menino Henry Borel, de quatro anos, filho de Monique e enteado do vereador.

De acordo com a Seap, a direção do Presídio Frederico Marques, em Benfica, na Zona Norte do Rio, foi substituída “a pedido” (por solicitação dos próprios gestores), após discordar das denúncias de possíveis privilégios concedidos aos dois detentos. A pasta estadual informou também que encaminhou imagens ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), que vai apurar o caso. A secretaria não detalhou quais seriam as regalias.

Jairinho e Monique ficaram apenas duas horas no presídio Frederico Marques, na última quinta-feira (8), até serem encaminhados para o Presídio Pedrolino Werling de Oliveira, no Complexo de Gericinó, em Bangu, zona Oeste do Rio, no caso do vereador; e para o Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói, Região Metropolitana do Rio, no caso de Monique.

Na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, já existe um requerimento de urgência para um projeto de lei que pode retirar a visita íntima de Jairinho e de Monique. O projeto prevê o fim do benefício para quem cometeu os crimes de homicídio qualificado, tortura, estupro, pedofilia e morte de agente de segurança.

Segundo a Polícia Civil, o casal será indiciado por homicídio duplamente qualificado e tortura. Na Câmara dos Deputados, um projeto de lei protocolado com urgência pode aumentar a pena em um terço ou metade se o crime for cometido contra um descendente ou filho do cônjuge ou companheiro.

Leia também1 Jairinho abraçou Henry antes de levá-lo ao quarto e agredi-lo
2 Projeto na Alerj pode tirar visita íntima de Dr. Jairinho e Monique
3 Nova defesa de Monique pedirá à polícia um novo depoimento
4 Câmara desiste de afastar Dr. Jairinho da Comissão de Justiça
5 Empregada nega ter mentido para a Polícia Civil sobre Henry

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.