Leia também:
X No Rio, Bope é inspecionado pelas Forças Armadas

Refugiada síria empreende em São Paulo e ganha seguidores

Razan dava aulas de inglês na Síria, mas aqui ela criou uma marca de comida árabe

Jade Nunes - 21/03/2018 10h58 | atualizado em 21/03/2018 11h13

A refugiada síria Razan tira uma selfie ao lado do alto-comissário do ACNUR, Filippo Grandi Foto: ACNUR/Luiz F. Godinho

Razan era professora de inglês para crianças e nunca havia saído de sua cidade natal, Alepo, na Síria. Com a guerra e a intensificação dos bombardeios, em 2014 ela foi forçada a abandonar a cidade pela primeira vez, sem saber qual seria seu destino final – e sem saber que, em meio ao conflito, estava grávida.

Quando ainda morava na Síria, Razan esperava permanecer ao lado de sua família e esgotou as possibilidades antes de tomar a difícil decisão de abandonar as pessoas próximas e todos os bens que havia conquistado. Em busca de segurança, ela se mudou de casa várias vezes e ainda assim não estava protegida dos ataques aéreos.

– Caíam muitas bombas a cada minuto. Três primos meus morreram em um ataque em uma das casas que eu morava. Com a guerra, perdemos tudo e mesmo ter acesso a itens básicos, como comida e água, era como se fosse um sonho – disse a jovem refugiada, de 28 anos.

Razan então seguiu para o Líbano, acompanhada de seu marido. Uma viagem difícil e insegura. A vida naquele país também não estava nada fácil, algo que se estende até os dias atuais.

Mais de três quartos dos refugiados nas áreas urbanas da Jordânia e do Líbano não conseguem suprir suas necessidades básicas de alimentação, moradia, saúde e educação. No marco dos sete anos de conflito armado no país, as condições para milhões de sírios no exílio estão se deteriorando e a grande maioria vive abaixo da linha da pobreza.

Durante evento realizado na sede do Facebook Brasil, Razan apresenta o case de sua página que já conta com mais de 7.700 seguidores Foto: ACNUR/Miguel Pachioni

Após três meses no Líbano, Razan e seu marido obtiveram o visto humanitário na Embaixada do Brasil, juntaram os últimos recursos para a compra das passagens aéreas e chegaram em segurança ao então desconhecido país. Novamente, o início não foi fácil, principalmente pela dificuldade associada ao aprendizado do idioma local e da cultura “bastante diferente do que eu imaginava ser”.

Já no aeroporto internacional de Guarulhos, na chegada, Razan sentiu um mal-estar, mas não imaginava que traria uma ótima novidade: tratava-se de seu filho Alan, nascido no Brasil e que recentemente completou 4 anos de idade.

Como muitas outras pessoas em situação de refúgio, Razan não conseguiu um emprego em sua área de conhecimento. No entanto, com determinação e empenho, aprendeu o idioma e participou de iniciativas de capacitação e empreendedorismo promovidas pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e seus parceiros, como o projeto Empoderando Refugiadas.

Atualmente, sua página do Facebook, Razan Comida Árabe, já tem mais de 7.700 seguidores e se tornou um exemplo de boa prática, tendo seus conhecimentos compartilhados com outras mulheres em situação de refúgio que pretendem empreender nas redes sociais.

Incansável em sua trajetória, Razan reconhece as dificuldades que enfrentou e olha para frente para que possa seguir adquirindo novos saberes e para inspirar outras pessoas a seguirem seus passos.

– Hoje, enfim, me sinto segura, feliz por estar com minha família recomeçando nossas vidas com dignidade e perspectivas de um futuro pleno. Agradeço aos brasileiros pela acolhida tão boa e me sinto em casa nesta terra que faz parte da minha vida sonhada – afirma Razan.

Leia também1 Rússia trava reunião na ONU sobre a Síria
2 Pastor anglicano reclama de silêncio da igreja sobre Síria

Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.