Leia também:
X Kicis ironiza a imprensa por não cobrir ‘protestos anti-lockdown’

“Querem te obrigar a ficar em casa enquanto vão para Miami”, diz deputado do RJ

Alexandre Freitas criticou o lockdown e disse que a medida traz "efeitos prejudiciais" que acabam "atrapalhando muito mais do que ajudando"

Henrique Gimenes - 15/03/2021 15h13 | atualizado em 15/03/2021 15h28

Deputado estadual Alexandre Freitas criticou as medidas de lockdown Foto: Divulgação

Em meio ao avanço da pandemia e ao aumento das medidas de lockdown no Brasil, o deputado estadual Alexandre Freitas (Novo), do Rio de Janeiro, criticou o isolamento total por seus “efeitos prejudiciais” que acabam “atrapalhando muito mais do que ajudando”. Para ele, a medida é ineficiente e não ajuda a “melhorar o número de mortos na pandemia”.

As manifestações foram publicadas pelo parlamentar em um vídeo no seu canal no YouTube.

Alexandre Freitas começou o vídeo lembrando que sempre se mostrou contra o isolamento desde o início da pandemia.

– Desde o início da pandemia, o isolamento total vem sendo apresentado como uma medida indispensável (…) E desde o início eu fui contra o lockdown por entender que essa medida não tem nenhuma comprovação de que funciona e muito menos de que seria eficiente – ressaltou.

Ele criticou uma insistência em “isolar as pessoas de forma autoritária e fechar comércio”.

– Ficou claro os efeitos prejudiciais dessa medida, que no final das contas, acaba atrapalhando muito mais do que ajudando. Já no meio de uma segunda onda, a gente vê pseudo-especialistas e políticos insistindo em isolar as pessoas de forma autoritária e fechar comércio, mesmo diante de uma ineficiência mais do que evidente – afirmou.

O parlamentar então mostrou matérias mostrando efeitos ocasionados pelas políticas de lockdown.

– Dentre alguns efeitos negativos estão o aumento generalizado da pobreza mundial, aumento de 90% nos casos de depressão, falência de mais de 780 mil empresas brasileiras, desemprego em escala global e o fato de que o lockdown pode provavelmente acabar matando muito mais gente do que ele tenta salvar no meio dessa doença. As consequência ruins são visíveis para quase qualquer pessoa comum – informou.

Alexandre Freitas também falou sobre estudos a respeito das medidas de isolamento publicados em revistas científicas.

– São diversas evidências que mostram que não é fechando o comércio, acabando com a economia e principalmente, acabando com seu direito de ir e vir e prendendo você em casa, que a gente vai melhorar o número de mortos na pandemia – apontou.

No vídeo, o parlamentar também disparou críticas contra a insistência em “impor limites às liberdades individuais”.

– Governantes autoritários acham que vão conseguir acabar com a pandemia por meio deu um planejamento central. Esse pensamento já é muito ultrapassado e se mostrou totalmente incompetente. A ação humana é incrivelmente complexa e imprevisível (…) Essa insistência em impor limites às liberdades individuais não é de hoje, não nasceu 2020. Ela já é aplicada há milhares de anos em sociedades atrasadas e sempre por conta de uma elite privilegiada – destacou.

Ao final, o deputado fez críticas às atitudes de políticos como o governador de São Paulo, João Doria, ou do prefeito de São Paulo, Bruno Covas.

– No fim das contas, o político com cara de bonzinho e uma parte alienada da imprensa querem te obrigar a ficar em casa. Sem poder trabalhar e sem poder colocar comida na mesa, enquanto eles passam férias em Miami, vem aqui no Rio de Janeiro assistir um jogo de futebol ou se aglomeram em atos políticos durante a reeleição – concluiu.

Leia também1 Lockdown: Doria cogita medidas mais duras caso Covid não recue
2 Manifestantes gritam em frente à casa de Doria: "Renuncia"
3 Juiz proíbe manifestações durante lockdown em Curitiba
4 Avenida Paulista é ocupada por manifestantes pró-Bolsonaro
5 Manifestantes fazem buzinaço contra Doria e STF, no Guarujá

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.