Leia também:
X Rio Grande do Norte registra nova madrugada de violência

Professora que recebeu palha de aço afirma que não quis revidar

Educadora disse ter visto postura machista na conduta do estudante que deu o item a ela

Paulo Moura - 15/03/2023 08h46 | atualizado em 15/03/2023 11h52

Professora recebeu palha de aço de aluno Foto: Reprodução/Redes Sociais

A professora Edmar Sônia, de 48 anos, que recebeu uma palha de aço de um aluno no Dia Internacional da Mulher, disse que preferiu não revidar o ato praticado pelo estudante. Mas relatou que viu um machismo claro na conduta do adolescente. Para ela, não é possível ter certeza se houve racismo nesse caso.

– Houve machismo, consigo enxergar. Muito embora tenha sido em forma de brincadeira, ela tem algo por trás. Você fazer algo assim tem um pensamento ideológico anterior. Mas não sei te falar se teve racismo naquilo, porque ele também tinha dado o pacote de “bombril” para a namorada, que não tem as mesmas características que eu – disse a educadora ao site Metrópoles.

A educadora lembra que já ouviu frases com cunho machista proferidas pelo mesmo aluno que entregou a palha de aço para ela.

– Já presenciei ele falar algo tipo: “Mulher no volante, perigo constante”. O “presente” parece se tratar de uma atitude de um jovem adolescente que já tem uma ação machista. Que tem essa ideia de que lugar de mulher é na cozinha, como repetem muito – justificou.

O caso aconteceu em uma turma do terceiro ano do Centro de Ensino Médio (CEM) 9 de Ceilândia, no Distrito Federal. De acordo com Sônia, que é professora há 16 anos, apesar do ocorrido, a relação com os alunos é boa.

– Temos uma boa relação de aluno e professor. Duas estudantes me procuraram e falaram: “Eu não acredito que você aceitou, isso é muito agressivo, que ódio”. Elas falaram em forma de revolta, com raiva – relatou.

Em nota, a Secretaria de Educação afirmou que a direção da escola tem autonomia para conduzir o caso. Além disso, a pasta informou que recebeu a denúncia na última segunda-feira (13) e que vai se reunir com o estudante e com a professora.

– A pasta ressalta, ainda, que repudia qualquer tipo de preconceito e reforça o compromisso e empenho na busca por elementos que permitam o esclarecimento dos fatos, bem como o suporte aos envolvidos – diz o comunicado.

Leia também1 Rio Grande do Norte registra nova madrugada de violência
2 Justiça dá 72h para EBC e União explicarem live de Janja
3 Lula diz que começou a governar antes de 1º de janeiro
4 Médico que denunciou aborto de sua paciente está errado, diz STJ
5 Bolsonaro rebate especulações sobre venda de refinaria

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Canal
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.