Leia também:
X PGR pede a Fachin que anule indiciamento de Renan pela PF

Após demitir servidor por vídeo LGBT, prefeito será investigado

Ministério Público de Santa Catarina instaurou um procedimento para apurar a conduta de Clésio Salvaro

Ana Luiza Menezes - 27/08/2021 20h56 | atualizado em 29/08/2021 18h40

Prefeito Clésio Salvaro Foto: Reprodução/Facebook

Na quinta-feira (26), o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) instaurou um procedimento para investigar a conduta do prefeito de Criciúma (SC), Clésio Salvaro (PSDB), por conta da exoneração de um professor da rede pública de ensino da cidade. O procedimento ficará a cargo do Promotor de Justiça Fred Anderson Vicente, da 5ª Promotoria de Justiça, com atuação na área da cidadania e direitos humanos.

O MPSC informou ainda que irá apurar se a exoneração do professor ocorreu dentro dos limites legais.

O servidor foi desligado porque reproduziu aos alunos o videoclipe da música Etérea, do cantor Criolo, que apresenta temática LGBTQIA+.

Salvaro anunciou a demissão por meio de um vídeo, que foi publicado nas redes sociais na quarta-feira (25). Ele disse que não concorda com o conteúdo “erotizado” e a “v******* na sala de aula”.

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação afirmou que o conteúdo, classificado como inapropriado, não faz parte do plano de ensino. Por isso, “medidas cabíveis em relação ao assunto foram tomadas, o profissional não faz mais parte do quadro de professores”.

Publicação do prefeito Clésio Salvaro Foto: Reprodução/Facebook

Leia também1 Professor demitido por exibir clipe LGBT pode deixar cidade
2 Prefeito demite professor por vídeo erótico exibido em aula
3 Atriz de The Crown se diz alguém "entre homem e mulher"
4 Doutor em Letras condena linguagem neutra em post do Museu da Língua Portuguesa
5 Escócia libera crianças de 4 anos para mudar de gênero na escola

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.