Porteiro pode ter acusado Bolsonaro para proteger Lessa

Funcionário mora na região de presença de milicianos

Pleno.News - 08/11/2019 10h47

Condomínio Vivendas da Barra Foto: Reprodução

O porteiro Alberto Jorge Ferreira Mateus, funcionário do Vivendas da Barra e pivô de polêmica no caso Marielle, é suspeito de mentir para proteger milicianos. O ex-policial Ronnie Lessa, preso pelo crime, é apontado como integrante de grupo de milicianos de Gardênia Azul, no Rio de Janeiro.

O bairro é o mesmo em que mora o porteiro. Ele deu um depoimento apontando envolvimento do presidente Jair Bolsonaro no assassinato da vereadora Marielle Franco. Segundo seu relato, divulgado pela Rede Globo, o presidente foi quem liberou a entrada de Élcio Queiroz no condomínio.

Após a confusão criada pelo depoimento, o funcionário foi procurado por outros portais e revistas e se negou a falar. Ele se ateve a dizer, ao Metrópoles, que “não está podendo falar nada”. A suspeita levantada é de que o porteiro tenha mentido para acobertar os criminosos.

Ronnie Lessa e Élcio Queiroz haviam negado envolvimento no crime e também afirmaram à polícia que não se encontraram antes da morte da vereadora.

LEIA TAMBÉM+ PF irá investigar porteiro que citou Jair Bolsonaro
+ Bolsonaro não obstruiu a Justiça segundo especialistas
+ Caso Marielle: PT aciona STF e acusa Bolsonaro de obstrução


Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo