Leia também:
X “Mulher tem supremacia sobre o seu corpo”, diz Lula sobre aborto

Polícia resgata engenheiro que foi vítima de ‘golpe do amor’

Caso aconteceu em São Paulo

Pleno.News - 07/10/2022 14h58 | atualizado em 07/10/2022 15h09

Homem foi encontrado amarrado em cativeiro Foto: Reprodução/TV Globo

Um engenheiro de 33 anos foi libertado de um cativeiro por policiais civis, na quarta-feira (5), após ser vítima do chamado “golpe do amor”, modalidade em que criminosos marcam falsos encontros por aplicativos de relacionamento para sequestrar os alvos em emboscadas. Ele foi mantido 24 horas como refém em um cativeiro em Barueri, na Região Metropolitana de São Paulo.

Um suspeito foi preso no local. O caso soma-se a outros com o mesmo perfil ocorridos nas últimas semanas. Para o delegado Tarcio Severo, titular da 3ª Delegacia da Divisão Antissequestro do Departamento de Operações Especiais (Dope), a percepção é que crimes desse tipo estão em alta.

Conforme a Secretaria da Segurança Pública, policiais civis do Dope e da Delegacia Seccional de Carapicuíba realizaram diligências após a família da vítima notificar o sumiço.

– Verificamos uma semelhança com um outro caso, de sexta-feira, que nós havíamos atendido e a vítima também foi libertada. Vimos que se tratava do mesmo padrão de conduta, o mesmo modus operandi, e fizemos uma diligência em locais que batiam com o outro caso – explicou Severo.

Os agentes localizaram a vítima em um cativeiro em Barueri na noite de quarta e a libertaram após ter ficado 24 horas refém. No local, ainda prenderam em flagrante um suspeito, de 27 anos, por extorsão e associação criminosa.

– A vítima reconheceu ele como sendo o responsável pelo arrebatamento, pela abordagem – afirmou Severo.

O prejuízo da vítima em transferências via Pix foi de R$ 10 mil, ainda segundo o delegado. As investigações prosseguem para localizar outros possíveis envolvidos nesse caso.

EM ALTA
Para Severo, os casos de sequestro relâmpago envolvendo vítimas que usam aplicativos de relacionamento aumentaram ao longo deste ano.

– Antigamente, a gente pegava muitos casos de sequestro do tipo que a gente chama de crime de oportunidade. São sequestradores que saem para a rua em busca de vítimas aleatórias. Hoje, não. Eles utilizam plataformas, sites, aplicativos de namoro se passando por uma mulher e atraindo a vítima até as proximidades do local do cativeiro.

O delegado disse ainda que, desde o início do ano, praticamente dobrou o fluxo de casos com esse perfil que são investigados pela 3ª delegacia da divisão antissequestro.

– Em média, a gente está atendendo de dois a três casos por dia – afirmou.

Em geral, os sequestros duram cerca de 24 horas, mas o delegado já investigou casos que duraram até três dias.

*AE

Leia também1 Prefeito de Maceió troca o PSB pelo PL e apoia Bolsonaro
2 Primeiro lote de vacinas contra a varíola do macaco chega ao país
3 Menor de 15 anos e homem de 21 são detidos pela morte de atriz
4 Segunda fase da Operação Maria da Penha prende mais de 12 mil
5 MG: Polícia investiga suspeita de bomba em evento com Bolsonaro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.