Leia também:
X Bolsonaro discursa para fiéis: “O Brasil está condenado a ser livre”

PM que matou Leandro Lo foi a boate e ao motel após o crime

Suspeito consumiu uma garrafa de uísque, entre outras bebidas, totalizando quase R$ 1,6 mil

Gabriel Mansur - 13/08/2022 20h51 | atualizado em 15/08/2022 12h15

Leandro Lo e Henrique Velozo Fotos: Arquivo pessoal

Apontado como o autor do disparo que matou o campeão mundial de jiu-jítsu Leandro Lo, o policial militar Henrique Otávio de Oliveira Veloso foi a outra boate após o crime, praticado no Clube Sírio, Zona Sul de São Paulo, no último domingo (7). O suspeito está detido no presídio militar Romão Gomes por homicídio doloso por motivo fútil.

Câmeras de segurança de uma boate em Moema, também na Zona Sul, mostram o tenente instantes depois do assassinato, cometido a dois quilômetros dali. As imagens foram obtidas pelo SP2.

Nesta segunda casa de show, o PM parece ter consumido uma garrafa de uísque, duas águas de coco, duas latas de energético e duas doses de gin, de acordo com a comanda, totalizando quase R$ 1,6 mil.

A mesma câmera registrou a saída do homem depois de 1 hora e 59 minutos. Ele estava acompanhado de uma mulher que, segundo o delegado responsável pelo caso, trata-se de uma garota de programa.

O casal seguiu para um motel, em Pinheiros, na Zona Oeste da cidade. Eles chegaram por volta das 5h40 de segunda-feira (8) e só saíram às 16h26.

Dois amigos próximos do lutador não quiseram gravar entrevista, mas confirmaram ao SP2 que Leandro Lo e o policial militar Henrique Veloso já tinham se desentendido outras vezes antes do dia do crime.

ENTENDA O CASO
Segundo o advogado da família, Ivan Siqueira Junior, o lutador teve uma discussão com o policial e, para acalmar a situação, imobilizou o homem. Após se afastar, o agressor sacou uma arma e atirou uma vez na cabeça do lutador.

O advogado afirmou que, após o tiro, o agressor ainda deu dois chutes em Leandro no chão e fugiu. Um amigo do atleta que presenciou o crime disse que o autor do tiro estava sozinho e provocou Lo e cinco amigos, que estavam numa mesa.

Leia também1 PM que matou Leandro Lo foi a boate e ao motel após o crime
2 PM fingiu desistir de briga após ser solto por lutador, diz polícia
3 Apuração descarta legítima defesa no assassinato de lutador
4 Homenagem: Amigos vão de quimono a velório de Leandro Lo
5 PM acusado de matar lutador já tinha duas condenações

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.