Leia também:
X PT diz que “regulação da agroindústria” em plano de governo foi erro

PM fingiu desistir de briga após ser solto por lutador, diz polícia

Henrique Velozo foi indiciado e preso por homicídio qualificado por dissimulação que dificultou defesa da vítima e motivo fútil

Gabriel Mansur - 09/08/2022 21h21 | atualizado em 10/08/2022 12h17

Leandro Lo e Henrique Velozo Fotos: Arquivo pessoal

O inquérito policial que investiga as causas e responsabilidades pela morte do lutador Leandro Lo traz novas informações sobre o episódio nesta terça-feira (9). Segundo a Polícia Civil, que apura o caso, o tenente da Polícia Militar Henrique Velozo, apontado como autor do disparo que atingiu o atleta na cabeça, “simulou ter desistido do impasse” para praticar o crime de forma repentina.

A briga, ainda segundo as investigações, aconteceu durante um show de pagode no Clube Sírio, na Zona Sul de São Paulo, no último sábado (6), quando o agente foi imobilizado e solto pelo campeão mundial de jiu-jítsu. Após isso, o oficial, que estava de folga e sem uniforme, sacou a arma que escondia debaixo da roupa, na cintura, e atirou na testa do atleta.

– Henrique simulou ter desistido do impasse, virou-se de costas, deu alguns passos na direção contrária a Leandro e repentinamente sacou a arma de fogo escondida sob suas vestes e efetuou um único disparo na testa de Leandro, evadindo-se do local em seguida – informa um dos trechos do documento a partir do que testemunhas disseram à polícia.

Leandro, de 33 anos, chegou a ser socorrido e levado ferido ao Hospital Saboya, mas não resistiu aos ferimentos e teve morte cerebral confirmada no domingo (7). Nesse mesmo dia, Henrique, que era procurado pela polícia, se entregou à Corregedoria da PM e entregou sua arma, que foi apreendida. Depois, foi levado à delegacia que investiga o caso, onde ficou em silêncio ao longo de todo o seu interrogatório.

Ele acabou detido e indiciado por homicídio qualificado por dissimulação que dificultou defesa da vítima e motivo fútil. Por decisão da Justiça, Henrique está preso temporariamente por 30 dias no presídio militar Romão Gomes, na Zona Norte da capital.

Leia também1 Apuração descarta legítima defesa no assassinato de lutador
2 Homenagem: Amigos vão de quimono a velório de Leandro Lo
3 PM acusado de matar lutador já tinha duas condenações
4 Mãe de Leandro Lo diz que policial já conhecia o atleta
5 PM acusado de atirar em lutador se entrega após pedido de prisão

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.