Leia também:
X Jairinho é indiciado por tortura contra filha de ex-namorada

PF apura lavagem de dinheiro do tráfico com criptoativos

Investigadores descobriram "transações atípicas bilionárias cujo destino principal era a compra de criptoativos"

Pleno.News - 30/04/2021 16h33 | atualizado em 30/04/2021 17h18

criptomoeda bitcoin dmitry-demidko-z4VuRg-ZOEg-unsplash
Foram bloqueados somente R$ 110 milhões de uma conta bancária de uma corretora de criptoativos Foto: Dmitry Demidko | Unsplash
A Polícia Federal em São Paulo deflagrou na quinta-feira (29) a Operação Rekt para desarticular uma organização criminosa especializada na prática de crimes de lavagem de dinheiro. Os investigadores miram um esquema que envolve empresas de fachada usadas por traficantes e dizem ter descoberto “transações atípicas bilionárias cujo destino principal era a compra de criptoativos”.

A ofensiva foi aberta por ordem da 2ª Vara Criminal Federal de São Paulo, que quebrou os sigilos bancário e fiscal de 32 empresas e de quatro pessoas.

Em nota divulgada na quinta-feira, a PF afirmou que levantamentos preliminares apontaram a movimentação atípica de mais de R$ 20 bilhões em tais contas, “motivo pelo qual foi determinado o bloqueio desses valores”. Na sexta-feira (30), a corporação indicou que foram bloqueados somente R$ 110 milhões de uma conta bancária de uma corretora de criptoativos.

Agentes cumpriram ainda quatro mandados de busca e apreensão; três na capital paulista e um em Limeira, no interior.

Segundo a PF, as investigações tiveram início após a Operação Planum, que prendeu traficantes de drogas em outubro de 2018 pela superintendência no Rio Grande do Sul. A partir da ofensiva, foram realizados cruzamentos de informações e foi identificado o esquema de lavagem de dinheiro envolvendo empresas de fachada, cadastradas em nome de “laranjas”.

– Analisando as informações obtidas nas buscas e em relatórios de inteligência financeira foram descobertas transações atípicas bilionárias cujo destino principal era a compra de criptoativos. As diligências policiais feitas hoje têm a finalidade de bloquear o patrimônio da organização criminosa e possibilitar posterior perdimento em favor da União”, indicou a corporação em nota.

Segundo os investigadores, os alvos da operação poderão ser indiciados pela prática dos crimes de constituição de organização criminosa, com pena 03 a 08 anos, e multa, e de lavagem de dinheiro, com pena de 03 a 10 anos e multa.

*Estadão

Leia também1 Moraes pede ao TSE informações para inquérito das fake news
2 Ministros do governo Bolsonaro acompanham o leilão da Cedae
3 Filhos de ex-namoradas de Dr. Jairinho confirmam agressões
4 RJ: Relator vota a favor do impeachment de Wilson Witzel
5 Dr. Jairinho é transferido para cela coletiva após a quarentena

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.