Leia também:
X Aluno hostilizado por professor se pronuncia: “Doutrinação”

Pesquisadores encontram 1° ninho de dinossauros no Brasil

Ovos foram encontrados em Uberaba, no Triângulo Mineiro

Thamirys Andrade - 07/04/2022 13h28 | atualizado em 07/04/2022 13h56

[Imagem Ilustrativa] Foto: Pixabay
Num típico movimento de preservação da espécie, dinossauros gigantes migraram para Uberaba, no Triângulo Mineiro, no período pré-histórico e puseram seus ovos a 30 quilômetros do centro do município, onde atualmente existe o bairro rural Ponte Alta. Mas o local foi atingido por uma torrente de chuva, com muita lama e cascalho, e não houve como os ovos eclodirem.

A história foi reconstituída recentemente por pesquisadores da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), após encontrarem o primeiro ninho de dinossauros já identificado no Brasil. A conclusão dos trabalhos foi publicada no periódico Scientific Reports no dia 24 de março.

Os ovos têm 12 centímetros de diâmetro e são curiosamente pequenos perto do tamanho dos animais, que chegavam a 18 metros de comprimento, de acordo com o professor de geologia da UFTM, Luiz Carlos Borges Ribeiro. Ele disse ao Estadão que o achado surpreendeu a todos.

– Esses ovos são provenientes de achados fortuitos, as pessoas acabam trazendo, não houve uma equipe de escavação – declarou.

Após alguns ovos serem encontrados em uma área pertencente a uma mineradora, um colega do professor, o paleontologista João Ismael da Silva, localizou o ninho.

TITANOSSAUROS
Eles reuniram, ao todo, 20 fósseis, cujas características foram comparadas com exemplares de outros locais do mundo, principalmente da Argentina. Concluiu-se, então, que os dinossauros que puseram os ovos são do grupo dos titanossauros, considerados os maiores animais terrestres de todos os tempos. Eles eram herbívoros e quadrúpedes, com o pescoço bastante comprido e a cabeça pequena.

A morfologia das ninhadas e as observações das características sedimentares reforçam a hipótese de que esses saurópodes eram dinossauros nidificantes, como já foi sugerido para o grupo com base em outros locais de nidificação.

– A descoberta mostra o ambiente em que os dinossauros migravam, ajudando a descrever seus ecossistemas e revelando uma sazonalidade das manadas – afirma Ribeiro.

Segundo ele, assim como toda a região, o local encontrado era bastante favorável para a fossilização.

Como não houve uma equipe de escavação e a descoberta foi feita quase que aleatoriamente, o professor espera obter apoio para prosseguir com os estudos. Para os pesquisadores da UFTM, os ovos podem ser a ponta de um iceberg, ou melhor, de novos tesouros paleontológicos.

– Se tem ninhada de dinossauro, deve ter embriões também. Filhotes nascidos, parte da mãe, que morreram ali. Gostaríamos de ver com olhar mais científico qual seria a real grandeza desses níveis de nidificação. Eles não estavam isolados, com certeza – garante o professor.

Ele já solicitou à Agência Nacional de Mineração que atue como intermediária. O objetivo é obter autorização e apoio financeiro para fazer as escavações.

– Somos uma universidade federal e um centro de pesquisas, temos pouco dinheiro – diz ele.

Posteriormente, eles visam criar um geossítio das ninhadas de dinossauros.

– Podemos colocar réplicas lá, vai fomentar o turismo e a criançada vai adorar – previu.

GEOPARQUE
A expectativa dos pesquisadores é de que a descoberta do primeiro ninho de dinossauros do Brasil impulsione a criação de um geoparque na região de Uberaba, um projeto que começou a ser discutido há alguns anos, mas ainda não foi concretizado. O aval depende da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Os geoparques são territórios com importância científica, cultural, geológica, arqueológica e paleontológica. O projeto que será montado em Uberaba será o primeiro de Minas Gerais.

Desde que os primeiros vestígios fósseis foram descobertos na região, há 80 anos, a cidade tem um acervo com 3 mil espécies catalogadas, entre dinossauros herbívoros, carnívoros e crocodilos.

– Já descrevemos 15 espécies novas únicas no mundo: quatro dinossauros, cinco crocodilos, três tartarugas, duas rãs e um lagarto. Quase todas achadas no entorno de Peirópolis – conta o geólogo.

Peirópolis é um bairro rural de Uberaba que concentra a maioria dos achados e abriga o Museu dos Dinossauros e o Centro de Pesquisas Paleontológicas Llewellyn Ivor Price.

– Pretendemos enviar em junho a carta de intenção para a Unesco – diz o professor Luiz Carlos Borges Ribeiro.

*Com informações da AE

Leia também1 Polícia apreende maconha em pacotes com foto de Neymar
2 Segundo EUA, Coreia do Norte planeja testar armas nucleares
3 Atiradora vira heroína na Ucrânia: “Nova Dama da Morte”
4 China pede investigação sobre matança de civis em Bucha
5 EUA testaram míssil hipersônico após início da guerra na Ucrânia

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.