Leia também:
X Bolsonaro rebate Lula: “Por Deus do céu, eu nunca serei preso”

Perito da Polícia Civil é morto por militares da Marinha

Caso aconteceu no Rio de Janeiro

Pleno.News - 16/05/2022 15h58 | atualizado em 16/05/2022 17h28

Militares da Marinha foram presos após sequestro e morte de perito Foto: Reprodução/Band

Na última sexta-feira (13), um papiloscopista do Instituto de Identificação Félix Pacheco foi morto por três militares da Marinha. O crime aconteceu após uma discussão em um ferro-velho na Zona Norte da capital fluminense. As informações são do portal G1.

Um sargento se entregou no 1º Distrito Naval e confessou o crime. As investigações apontam que os militares usaram um veículo oficial da Força para esconder o corpo da vítima.

A polícia foi acionada após o papiloscopista não ter comparecido ao plantão que faria no trabalho, no último sábado. O celular de Renato foi rastreado por equipes da Delegacia de Homicídios, da 18ª DP (Praça da Bandeira) e do Félix Pacheco. As equipes descobriram que a vítima teve uma briga com Lourival Ferreira de Lima, dono de um ferro-velho, na Mangueira.

O Instituto de Identificação Félix Pacheco é um órgão vinculado à Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Renato fazia uma obra no bairro Praça da Bandeira. O crime ocorreu após ele ter sido vítima de uma sequência de furtos. Na manhã de sexta-feira, o papiloscopista achou seus materiais no ferro-velho e conseguiu um acordo de ressarcimento, mas quando voltou ao ferro-velho, durante a tarde, foi vítima de uma emboscada.

Lourival chamou o filho, Bruno Santos de Lima, sargento da Marinha, o cabo Daris Fidelis Motta e o terceiro-sargento Manoel Vitor Silva Soares. Os quatro homens tentaram forçar a entrada de Renato em uma van da Marinha. A vítima resistiu e entrou em luta corporal, até que foi baleada por Bruno, na barriga e na perna.

Ainda não se sabe se o funcionário do Félix Pacheco estava vivo ou morto quando foi jogado de uma ponte do Arco Metropolitano sobre o Rio Guandu. O corpo ainda não foi localizado.

MARINHA SE MANIFESTA
A Marinha do Brasil se pronunciou a respeito do caso e revelou que tomou conhecimento do ocorrido na noite de sábado. O crime envolveu militares da ativa do Comando do 1º Distrito Naval.

– Os militares envolvidos foram presos em flagrante pela polícia e responderão pelos seus atos perante a Justiça. A MB lamenta o ocorrido, se solidariza com os familiares da vítima e reitera seu firme repúdio a condutas e atos ilegais que atentem contra a vida, a honra e os princípios militares. A MB reforça, ainda, que não tolera tal comportamento, que está colaborando com os órgãos responsáveis pela investigação e informa que abriu um inquérito policial militar para apurar as circunstâncias da ocorrência – disse a Marinha.

Leia também1 Bebê de oito meses com sinais de gripe morre após receber injeção
2 PT aposta em Rock in Rio como "comício informal" para Lula
3 Jovem é batizada em represa onde o noivo morreu afogado
4 Foragido há 5 meses, condenado por mais de 100 estupros é preso
5 Brasileira presa na Tailândia não poderá receber o "perdão real"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.