Leia também:
X Falsa grávida é presa após usar melancia para esconder drogas

SP: Pais vão à Justiça para pedir volta das aulas presenciais

Grupo quer que estudantes voltem para a escola ainda este ano

Pleno.News - 30/11/2020 14h52 | atualizado em 30/11/2020 18h05

Sala de aula com alunos estudando
Grupo de pais pede retorno às aulas presenciais em SP Foto: Divulgação/Prefeitura de Santos

Um grupo de mães e pais vai entrar esta semana com uma ação popular contra a Prefeitura de São Paulo para pedir a abertura das escolas particulares e públicas para aulas regulares ainda este ano. Em uma semana, cerca de 8 mil pessoas assinaram o manifesto que apoia o movimento. A capital só permite atividades extracurriculares para o ensino infantil e fundamental – o médio foi liberado para aulas no dia 3. Com a piora da pandemia no estado, o grupo teme que o prefeito reeleito Bruno Covas (PSDB) queira fechar as escolas novamente.

A mobilização surgiu na semana passada em um grupo de WhatsApp de pais da Saint Paul’s School, escola britânica de elite da capital. Eles então se organizaram, procuraram ajuda jurídica e começaram a rodar um abaixo-assinado para outras escolas de São Paulo. Entre as cerca de 20 autoras da ação há mães de Miguel de Cervantes, Porto Seguro, Chapel School, Avenues, Santa Cruz, Viva, Gracinha, Pentágono, Mobile, Dante, entre outros. Responsáveis de alunos de escolas estaduais também assinaram o manifesto.

O grupo entende que há segurança para manter a educação funcionando, desde que respeitando os protocolos sanitários e o distanciamento. Eles se baseiam em pesquisas científicas que indicam que crianças transmitiriam menos o coronavírus e têm menos complicações. Grupos de pediatras da capital também divulgaram nota na semana passada com o mesmo pedido.

– As mães inicialmente estavam muito bravas com as escolas e aí começaram a entender que há decisões governamentais por trás e que, como sociedade civil, podíamos lutar contra – diz a administradora e uma das autoras da ação Lana Romani, de 43 anos, mãe de três filhos em escolas particulares da capital.

Lana disse ainda que se trata de um movimento em prol de todas as escolas.

– Sabemos que somos privilegiadas, que nossos filhos podem fazer aulas online com todo conforto, mas nosso pleito é por todas as escolas. Os impactos vão ser sentidos numa geração inteira – alertou.

Para ela, há uma “inversão de valores”, já que restaurantes, bares e festas estão sendo permitidos pela prefeitura, enquanto a educação não é liberada para dar aulas e apenas para atividades extracurriculares, que não suficientes.

Os exemplos vindos da Europa nesta segunda onda ajudaram a fortalecer o argumento. Em outubro, quando países como França, Alemanha, Bélgica e Inglaterra voltaram a fazer lockdown e a fechar bares, restaurantes e academias, as escolas permaneceram abertas. Autoridades como o presidente francês Emmanuel Macron e a chanceler Angela Merkel defenderam publicamente a manutenção da educação, entendida como prioridade para o desenvolvimento das crianças e dos países.

No Brasil, as escolas fecharam logo no começo da pandemia, no meio de março. Mas uma nova posição também tem ganhado força no país. Segundo apurou o Estadão, o governo de João Doria também estuda permitir que a educação continue funcionando mesmo com possíveis restrições que devem ser anunciadas esta semana com a piora nos índices da covid-19. No entanto, a prefeitura pode ser mais restritiva, como já ocorreu na primeira liberação das escolas feita pelo estado em setembro, não acompanhada pela capital.

*Estadão

Leia também1 Covid-19: Doria aperta restrições da quarentena em São Paulo
2 Prefeito Bruno Covas derrota Boulos e é reeleito em SP
3 Em SP, Doria aproveita vitória de Covas e alfineta Bolsonaro
4 Saúde não prevê vacinar toda a população contra Covid em 2021
5 Após pressão e críticas, NY anuncia reabertura de escolas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.