Leia também:
X Alvo de protestos, Toffoli fala em ‘assassinato de reputações’

Operação Lava Jato completa 5 anos. Recorde principais fases

Relembre algumas das prisões mais emblemáticas da megaoperação de combate à corrupção

Camille Dornelles - 17/03/2019 08h30

A Operação Lava Jato completa cinco anos de atuação neste domingo (17). A mega iniciativa envolve as polícias Federal, Militar, Civil, Rodoviária Federal, Ministério Público e delegacias especializadas em diversas operações menores.

Até agora, foram deflagradas 60 fases da Lava Jato, além dos desdobramentos regionais. A mais recente foi a Operação Ad Infinitum, que prendeu o ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, pela segunda vez.

O Pleno.News fez uma seleção das sete fases com as prisões mais importantes da Lava Jato.

2ª fase, 20 de março de 2014: Paulo Roberto Costa, ex-diretor de abastecimento da Petrobras, é preso sob suspeita de destruir e ocultar documentos do suposto esquema de corrupção na Petrobras.

7ª fase, 14 de janeiro de 2015: Nestor Cerveró, ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, é preso no aeroporto. Em maio ele foi condenado a cinco anos de prisão.

17ª fase, 3 de agosto de 2015: ex-ministro José Dirceu é preso junto com seu irmão e outras sete pessoas acusadas de receber propinas, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

34ª fase, 22 de setembro de 2016: ex-ministro Guido Mantega é preso por supostas fraudes na Petrobras. Ele foi solto no mesmo dia.

37ª fase, em 17 de novembro de 2016: ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral é preso. Posteriormente, ele foi apontado em outras fases da Lava Jato e suas penas beiram os 200 anos de prisão.

Além das fases, outros desdobramentos da Operação foram igualmente emblemáticos pelos seus alvos poderosos. Vale citar dois deles.

Prisão de Lula, 7 de abril de 2018: a detenção do ex-presidente da República aconteceu dois dias depois da determinação do então juiz Sérgio Moro. Lula cumpre pena na sede da Polícia Federal em Curitiba, Paraná, por corrupção e lavagem de dinheiro.

Operação Unfair Play, em 5 de outubro de 2017: Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), é preso por comprar jurados para que o Rio de Janeiro fosse escolhido como cidade olímpica.

Leia também1 Parte do dinheiro da Lava Jato vai para reforma de escolas
2 Dallagnol rebate críticas a acordo entre MPF e Petrobras
3 MPF desiste de fundo privado com dinheiro da Petrobras

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.