Leia também:
X TSE ordena exclusão de vídeos com ataque de Lula a Bolsonaro

Oito homens morrem em troca de tiros com policiais militares

Grupo criminoso planejava executar um homem que fazia parte de uma facção criminosa rival

Paulo Moura - 11/08/2022 08h36 | atualizado em 11/08/2022 11h57

Oito homens morreram em confronto com a polícia Foto: Reprodução/RPC TV

Oito homens suspeitos de integrarem uma quadrilha morreram, na madrugada desta quinta-feira (11), durante uma troca de tiros com policiais militares em Curitiba, no Paraná. De acordo com a Polícia Militar (PM), o grupo criminoso planejava executar um homem que fazia parte de uma facção criminosa rival. A identidade dos mortos não foi revelada.

Segundo informações divulgadas pela emissora RICtv, os oito indivíduos, fortemente armados, arquitetavam a morte de um antigo comparsa, que recentemente trocou de facção. No entanto, a equipe de inteligência da PM paranaense conseguiu localizar os suspeitos e interceptou o crime. A ação resultou em duas trocas de tiros.

Na primeira, que aconteceu no Bairro Caximba, os agentes localizaram dois suspeitos que tentaram fugir em um carro. Após uma troca de tiros, os dois homens morreram. Em um segundo confronto, no Bairro Cajuru, a PM encontrou seis suspeitos em uma casa. Ao chegar na residência, a polícia informou que foi recebida a tiros e os seis homens foram baleados. Todos faleceram.

Na casa, os policiais encontraram três pistolas, três revólveres, dois coletes balísticos e oito tabletes de substância análoga à maconha.

Leia também1 TSE ordena exclusão de vídeos com ataque de Lula a Bolsonaro
2 Justiça envia homem que matou petista para a prisão domiciliar
3 “Assustada e com medo da filha”, diz delegado sobre idosa vítima de golpe
4 Marqueteiro de Ciro Gomes é internado após princípio de AVC
5 Janaina Paschoal afirma que Bolsonaro quer destruí-la

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.