Leia também:
X Pacheco se reunirá com Pazuello para discutir compra de vacinas

Mulher sonâmbula cai do 3º andar de hotel em Copacabana

Família atribui crise de sonambulismo à rotina exaustiva de trabalho da fisioterapeuta

Gabriela Doria - 22/02/2021 16h50 | atualizado em 22/02/2021 17h10

Talyssa Oliveira Taques caiu do 3º andar de um hotel em Copacabana Foto: Reprodução

Um fisioterapeuta que estava hospedada em um hotel em Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro, teve uma crise de sonambulismo e caiu do 3º andar do hotel. A turista, que tinha vindo de Cuiabá, no Mato Grosso, sobreviveu à queda e está há 15 dias internada em um hospital particular da cidade.

Familiares de Talyssa Oliveira Taques, de 27 anos, atribuem a crise de sonambulismo à rotina de trabalho estressante que ela vem mantendo durante a pandemia. Talyssa trabalha em dois hospitais referência em atendimento à Covid-19 em Cuiabá e vinha de uma rotina de vários plantões seguidos. Ela decidiu viajar para o Rio de Janeiro, quando conseguiu um fim de semana de folga.

De acordo com a mãe de Talyssa, Angélica de Oliveira, a família tinha saído para jantar na noite do incidente. Após a refeição, a jovem pediu um carro de aplicativo e foi se encontrar com uma amiga, que também estava a passeio na cidade.

– Elas chegaram ao hotel de madrugada. Por volta das 3 horas, a amiga dela dormiu e não viu o que aconteceu. Quando ela acordou, a Talyssa não estava mais no quarto, mas as coisas dela estavam lá. A menina ficou preocupada quando acordou, mas imaginou que ela foi dormir no meu quarto – disse a mulher ao portal G1.

Em torno das 4h30, um dos seguranças fazia ronda quando encontrou Talyssa caída na entrada do porão e pediu socorro. Segundo Angélica, a filha ficou desacordada por um tempo após a queda e, ao recobrar a consciência, não conseguiu andar e, então, gritou por ajuda.

Apesar de ter plano de saúde, o convênio médico não cobriu todas as despesas hospitalares de Talyssa, e a família já acumula uma dívida de mais de R$ 20 mil. A falta de leitos em hospitais públicos da cidade também impede a transferência. Por causa disso, parentes da fisioterapeuta criaram uma vaquinha online para pagar uma transferência aérea para Talyssa.

Leia também1 Paciente que venceu o câncer viajará em missão espacial
2 Carlos Alberto de Nóbrega diz não saber como pegou Covid-19
3 Suspeitos de furar fila da vacina viram alvos de operação policial
4 Circulação de variantes da Covid deixa RN em estado de alerta
5 PM é preso saindo de favela do RJ com 14 quilos de crack e pistola

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.