Leia também:
X PM do Rio acusa STF de criar “zona de proteção ao crime”

Mulher morre após cirurgia e família culpa médico

Laudicéia Cristina Reis Galvão passou 9 meses internada

Ana Luiza Menezes - 05/08/2020 17h03 | atualizado em 05/08/2020 17h15

Laudicéia Cristina Reis Galvão tinha 34 anos Foto: Arquivo Pessoal

Em São Paulo, uma vendedora morreu após ter passado 9 meses internada por complicações causadas por uma hidrolipo, cirurgia feita em outubro do ano passado. Laudicéia Cristina Reis Galvão tinha 34 anos.

Segundo a família da vendedora, o médico Danilo Dias Ferreira cometeu erros durante a cirurgia. As informações são do jornal O Dia.

– No meio da cirurgia ela teve uma intercorrência com uma parada cardiorrespiratória e afetou muito o cérebro dela pela falta de oxigênio, por mais de 40 minutos – disse Alan Procópio, companheiro de Laudicéia.

Alan contou que a vendedora escolheu operar com Danilo após pesquisar em grupos na internet. Conhecido nas redes sociais como Danilo Said, o médico tem mais de 53 mil seguidores no Instagram e um grupo com mais de 14 mil participantes no Facebook.

Ainda de acordo com o companheiro, Laudicéia sonhava em fazer uma cirurgia após a segunda gravidez. Um áudio revelado pelo jornal carioca mostra uma mensagem enviada pelo médico para Alan no dia da complicação.

– Teve um intercorrência lá na cirurgia e ela teve uma parada, tentei reverter e tal. Ela está estável, num ritmo normal agora, mas vai precisar transferir para UTI. A ambulância já está vindo. A pior parte assim já foi revertida, nós conseguimos reanimar e ela está estável, mas vai precisar de um cuidado intensivo que a gente não tem aqui – avisou o médico.

Procópio acredita que se o hospital não tinha estrutura necessária para o procedimento, não deveria ter sido escolhido pelo médico.

Após ter sido transferida para um hospital particular, Laudicéia passou 15 dias entubada e precisou de um traque para conseguir respirar. Ela sofreu outra parada cardiorrespiratória e o quadro clínico piorou. No início de dezembro, a vendedora acabou sendo levada para o hospital estadual Mandaqui, onde ficou até morrer após infecção generalizada.

Leia também1 PM do Rio acusa STF de criar "zona de proteção ao crime"
2 Brasil deve começar a liberar a vacina da Covid-19 em janeiro
3 Justiça manda bloquear R$ 11 milhões em bens de Alckmin
4 Criminosos explodem banco durante a madrugada
5 Documentos apontam que Gabriel Monteiro não desertou

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.