Leia também:
X Zambelli pede Pix para Silveira pagar multa de R$ 405 mil

Mulher de João de Deus atua como conciliadora no TJGO

Segundo a Corte, Lara Cristina Capatto presta serviços sem vínculo empregatício

Thamirys Andrade - 04/05/2022 13h52 | atualizado em 04/05/2022 15h32

Mulher de João de Deus atua como conciliadora no TJGO
João de Deus e Lara Cristina Capatto Fotos: Fotos Públicas/Cesar Itiberê | Reprodução OAB/SP

Companheira do médium João de Deus, a advogada Lara Cristina Capatto presta serviços sem vínculo empregatício no Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), cumprindo a função de conciliadora. Ao ser contatada, a Corte afirmou que qualquer pessoa pode se candidatar a conciliador ou mediador auxiliar no judiciário, desde que tenha conhecimentos em métodos consensuais. As informações são do portal Metrópoles.

– Lara Cristina Capatto foi aprovada para atuar como conciliadora auxiliar de justiça, posto sem vínculo empregatício com o tribunal. Mediadores e conciliadores são prestadores de serviço – declarou o TJGO em nota.

O tribunal, no entanto, não informou quando Lara começou a prestar serviços no órgão, tampouco com que frequência eles acontecem.

Lara Cristina, de 50 anos, e João de Deus, de 79, possuem união estável desde setembro de 2021. Os dois devem ter matrimônio oficializado nesta quarta-feira (4), data em que está prevista a conclusão do pedido de conversão da união estável para casamento.

João de Deus foi condenado cinco vezes por crimes sexuais, totalizando mais de 110 anos de prisão. Atualmente ele cumpre prisão domiciliar.

Leia também1 Juiz que foi cotado para o STF determina intimação de Macron
2 Novo comandante da PM de SP fala em abordar motoqueiros
3 Jovem que teve barriga aberta em praia defende namorada
4 Minas Gerais confirma 3ª morte por raiva humana em um mês
5 Homem invade espelho d'água do Palácio da Justiça, no DF

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.