Leia também:
X Impeachment de Bolsonaro: STF nega ação que obrigava análise

Monique acusa 1° advogado de criar farsa para “salvar” Jairinho

Monique diz que advogado teria afirmado que só aceitaria o caso se ela e o político se unissem e combinassem uma versão

Paulo Moura - 03/05/2021 08h10 | atualizado em 03/05/2021 09h28

Monique Medeiros ao lado do advogado André França Foto: Agência Estadão/Reginaldo Pimenta

Em uma nova carta escrita de dentro da cadeia, Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel, acusa o advogado André Barreto, primeiro defensor dela no processo envolvendo a morte de seu filho, de montar uma farsa para proteger o vereador Jairo Souza, o Dr. Jairinho. O conteúdo foi divulgado pelo Fantástico, da TV Globo, na noite de domingo (2).

De acordo com Monique, o advogado teria afirmado que só aceitaria o caso se ela e o político se unissem e combinassem uma versão. O defensor, segundo a mãe do garotinho, cobrou R$ 2 milhões pela defesa do casal.

– No dia da reconstituição da cena no apartamento, o dr. André me proibiu de participar, pois ele estava com medo de eu desvendar toda a mentira na frente de todos. Eu estava esperando uma oportunidade, pois estava com muito medo – disse a mãe de Henry.

O escritório França Barreto Advogados, do qual faz parte o advogado André Barreto, deixou o caso no último dia 14. A professora também implora ao delegado responsável pela investigação mais uma chance para ser ouvida.

– Preciso dar a versão verdadeira do que aconteceu. Naquela cela, daquele presídio, pude me reconectar com Deus. […] Não quero fugir das minhas responsabilidades, mas quero ser julgada pelo que é certo, contribuindo e fazendo todo o possível para ajudar em tudo que eu puder. Me dê mais uma chance – prosseguiu.

Em nota, a defesa do advogado André disse que ele jamais alterou a narrativa apresentada pelo casal, desde o início feita de forma única. Além das acusações contra André Barreto, Monique também narra no texto as ameaças que está sofrendo na cadeia e diz que diariamente ouve gritos de outras detentas que dizem que vão matá-la.

– Todos os dias elas gritam dizendo que vou morrer e que vão me matar, pois acreditam que eu deixava o Jairinho bater no Henry – declarou.

Leia também1 Impeachment de Bolsonaro: STF nega ação que obrigava análise
2 Governo Bolsonaro avalia novo modelo de aluguel social
3 Número de vacinados contra a Covid-19 chega a 31,87 milhões
4 Helicóptero com deputados faz pouso emergencial na Bahia
5 Novo Congresso de El Salvador destitui juízes da Suprema Corte

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.